13. Gazeta: Bibliografia

ALCADE, C. (1981). Como Leer un Periodico. Barcelona: ATE.

ALSINA, M. R. (1993). La Construcción de la Noticia. 2ª edición. Barcelona: Paidós.

ALVES, J. A. S. (2005). o Poder da Comunicação. A História dos Media dos Primórdios da Imprensa aos Dias da Internet. Lisboa: Casa das Letras.

ALVES, L. A. M. (1983) Subsídios para a História da Imprensa em Portugal. Porto: Centro de Estudos Humanísticos (monografia fotocopiada).

ANSELMO, J. (1923). Bibliografia das Bibliografias Portuguesas. Lisboa: Biblioteca Nacional.

ARAÚJO, N. (1941). Das Relações e da Gazeta de 1641 ao Jornalismo do Século XX. Boletim do Sindicato Nacional dos Jornalistas, n. 4 (Comemorativo do Tricentenário da Gazeta), Outubro/Novembro/Dezembro de 1941: 119-124.

AROUCA, J. F. (2003). Bibliografia das Obras Impressas em Portugal no Século XVII. Lisboa: Biblioteca Nacional.

AUTOR ANÓNIMO [Atribuído a HERCULANO, Alexandre] (1838, 31 de Março). Gazetas. Origem das Gazetas em Portugal. Panorama, n.º 48.

BACKTIN, M. M. (1981). The Dialogic Imagination. Austin: University of Texas Press.

BACKTIN, M. M. (1996). The problem of speech genres, in EMERSON, C. e HOLQUIST, M. (Eds.). M. M. Backtins: Speech Genres and Other Late Essays. 6th edition. Austin: University of Texas Press [edição original de 1952-1953].

BAHIA, J. (1990). Jornal, História e Técnica: História da Imprensa Brasileira, vol. 1, 4ª edição, São Paulo: Ática.

BAKHTINE, M. (1977). Le Marxisme et La Philosophie du Langage. Paris: Éditions de Minuit [edição original de 1929].

BARDIN, L. (1995). Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70.

BARNHURST, K. G. (1994). Seeing the Newspaper. New York: St. Martin’s Press.

BARRERA, C. (Coord.) (2004). Historia del Periodismo Universal. Barcelona: Ariel.

BELO, A. (2001). As Gazetas e os Livros. A Gazeta de Lisboa e a Vulgarização do Impresso (1715-1760). Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais.

BELO, F. e ROCHA, M. (1988). Anatomia do primeiro periódico português. Claro-Escuro: Revista de Estudos Barrocos, n.º 1, Novembro de 1988.

BELTRÃO, L. (1992). Iniciação à Filosofia do Jornalismo. São Paulo: Editora da USP e Com-Arte [edição original de 1960].

BENETTI, M. (2007). A ironia como estratégia discursiva da revista Veja. Comunicação apresentada ao GT “Estudos de Jornalismo” do XVI Encontro da Associação Nacional de Programas de Pós-Graduação em Comunicação (COMPÓS), Curitiba, Brasil.

BERGER, P. L. e LUCKMANN, T. (1991). A Construção Social da Realidade. 9ª edição. Petrópolis: Vozes [Edição original de 1966].

BERNARDES, J. A. C.; CASTRO, A. P.; FERRAZ, M. L. A.; MELO, G. C. e RIBEIRO, M. A. (Dir.). (1995). Biblos. Enciclopédia Verbo das Literaturas de Língua Portuguesa. Vol. II. Lisboa: Verbo.

BESSA, A. (1904). O Jornalismo. Esboço Histórico da Sua Origem e Desenvolvimento Até aos Nossos Dias. Lisboa: Livraria Editora Viúva Tavares de Castro.

BESSA, A. (Director) (1898). A Exposição da Imprensa. Número único publicado em comemoração do primeiro certame jornalístico que se realiza em Portugal por ocasião das festas do IV centenário da descoberta do caminho marítimo para a Índia. Lisboa: Imprensa de Libano da Silva.

BIBLIOTECA NACIONAL DE LISBOA (1941). Catálogo da Exposição Comemorativa do Tricentenário do Primeiro Periódico Português. Imprensa Periódica Portuguesa na Metrópole e no Império. Séculos XVII – XIX). Lisboa: Biblioteca Nacional.

BIGOTTE CHORÃO, João (1999). Enciclopédia Verbo Luso-Brasileira de Cultura. Edição Século XXI. Lisboa/São Paulo: Editorial Verbo.

BIRD, E. e DARDENNE, R. (1988). Myth, chronicle, and story: Exploring the narrative qualities of news, in CAREY, J. W. (Ed.). Media, Myths and Narratives. Newbury Park: Sage.

BORDERIA ORTIZ, E.; LAGUNA PLATERO, A. e MARTÍNEZ GALLEGO, F. A. (1996). Historia de la Comunicación Social. Voces, Registros y Conciencias. Madrid: Síntesis.

BORGA, C. (1981). Mais de 150 anos depois da prensa de Gutenberg aparecem na Europa os primeiros jornais. História, n.ºs 26-27, Dez. 1980/Jan. 1981.

BOURDIEU, P. (1984). Questions de Sociologie. Paris: Éditions du Minuit.

BOYCE, G.; CURRAN, J. E WINDGATE, P. (Eds.) (1978). Newspaper History from the 17th Century to the Present Day, London: Constable.

BRAOJOS GARRIDO, A. (1999). De los antecedentes a la conquista de la libertad de expresión, in GÓMEZ MOMPART, J. L. e MARÍN OTTO, E. (Eds.). Historia del Periodismo Universal. Madrid: Síntesis.

BRIGGS, A. e BURKE, P. (2004). Uma História Social da Mídia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.

BRITO, B. G. (1942). História Trágico-Marítima. Barcelos: Editora do Minho [Edições originais de 1735/1736, respectivamente 1º e 2º volumes].

BROWN, R. M. (1979). The gatekeeper reassessed: A return to Lewin.  Journalism Quarterly, vol. 56, 1979.

BRYANT, J. e ZILLMANN, D. (Compiladores) (1996). Los Efectos de los Medios de Comunicación. Barcelona: Paidós.

CÁDIMA, F. R. (1996). História e Crítica da Comunicação, Lisboa: Século XXI.

CANGA LAREQUI, J. (1994). El Diseño Periodístico en Prensa Diaria. Barcelona: Bosch.

CAREY, J. (1975). Communication and culture. Communication Research, 2.

CAREY, J. (2000). Some personal notes on US journalism education. Journalism, vol. 1, n.º 1.

CARVALHO, F. A. M. et al. (1891). Dicionário Bibliográfico Militar. Lisboa: Imprensa Nacional.

CHARAUDEAU, P. (2006). Discurso das Mídias. São Paulo: Contexto.

CIDADE, H. (1940). A Literatura Autonomista Sob os Filipes. Lisboa: Livraria Sá da Costa.

COELHO, J. P (Dir.) (1984). Dicionário de Liteatura. Vol. II. Porto: Figueirinhas.

COMAN, M. (2003). Pour Une Anthropologie des Medias. Grenoble: Presses Universitaires de Grenoble.

CONBOY, M. (2004). Journalism: A Critical History. London: Sage.

COSTA, Fernando Dores (2004). A Guerra da Restauração 1641-1668. Lisboa: Livros Horizonte.

COSTELLA, A. (1984). Comunicação - Do Grito ao Satélite. 3ª edição. São Paulo: Editora Mantiqueira.

CROWLEY, D. e HEYER, P. (2003). Communication in History. Technology, Culture, Society. Boston: Pearson.

CRUZ, A. (1990). Imprensa periódica, in Dicionário Enciclopédico da História de Portugal. Lisboa: Selecções do Reader’s Digest e Publicações Alfa Lda.

CRUZ, J. C. (2002). Introdução ao Estudo da Comunicação: Imprensa, Cinema, Rádio, Redes Multimédia. Lisboa: ISCSP/Universidade Técnica de Liaboa.

CUNHA, A. (1898, Setembro). La Presse Périodique en Portugal. Bref Mémoire Présenté au Cinquième Congrès International de la Presse, à Lisbonne. Comunicação ao V Congresso Internacional da Imprensa, Lisboa. Lisboa: Diário de Notícias.

CUNHA, A. (1914). O Diário de Notícias. A Sua Fundação e os Seus Fundadores. Alguns Factos para a História do Jornalismo Português. Lisboa: Tipografia Universal.

CUNHA, A. (1929/1930). O Tricentenário da Publicação do Primeiro Periódico Português. As Relações de Manuel Severim de Faria e as Gazetas da Restauração. Comunicação Que o Sócio Correspondente sr. Alfredo da Cunha fez na Sessão da 2ª Classe em 10 de Abril de 1930. Separata do Boletim da Academia das Ciências de Lisboa, nova série, vols. I e II: 358-371. Coimbra: Imprensa da Universidade.

CUNHA, A. (1932). O Jornalismo. As Relações de Manuel Severim de Faria e as Gazetas da Restauração. Os Mercúrios. Quem Foi o Primeiro Periodista Português, in SAMPAIO, Albino Forjaz de. História da Literatura Portuguesa Ilustrada. Vol. III. Lisboa: Bertrand.

CUNHA, A. (1939). Olisipo, Berço do Periodismo Português. O Tricentenário da “Gazeta” Cognominada “da Restauração”. Separata da revista Olisipo, nºs. 7 e 8.

CUNHA, A. (1941 a). Elementos para a História da Imprensa Periódica Portuguesa (1641-1821). Separata das Memórias da Academia das Ciências de Lisboa, classe Letras, 4. Lisboa: Academia das Ciências de Lisboa.

CUNHA, A. (1941 b). Relances Sobre os Três Séculos do Jornalismo Português. Boletim do Sindicato Nacional dos Jornalistas, n.º 4 (Comemorativo do Tricentenário da Gazeta), Outubro/Novembro/Dezembro de 1941.

CUNHA, A. (1942). Periódicos e Relações, Periodistas e Noticiários. Separata do Boletim da Academia de Ciências de Lisboa, Vol. 13, Dezembro de 1941 [publicado em 1942].

CURRAN, J. (1978). The press as an agency of social control: An historical perspective, in BOYCE, G. et al. (Eds.) Newspaper History: From the 17th Century to the Present Day. London: Constable.

D’ALGE, C. (1983). O primeiro jornal português. Comunidades de Língua Portuguesa, n.º 1.

DARNTON, R. (1975). Writing news and telling stories. Deadalus, n.º 104.

DELPORTE, C. (1995). Histoire du Journalisme et des Journalistes en France. Paris: PUF.

DIAS, E. G. (2003, Dezembro). Frei Francisco Brandão [1601-1680] : Da poligrafia da história ao contributo para o arranque do periodismo em Portugal no século XVII. Revista Militar, vol. LV, n.º 12.

DIAS, E. G. (2006). As Gazetas da Restauração : [1641-1648]. Uma Revisão das Estratégias Diplomático-Militares Portuguesas [Edição Transcrita]. Lisboa: Instituto Diplomático/Ministério dos Negócios Estrangeiros.

DIAS, J. A. (1996). Craesbeeck. Uma Dinastia de Impressores em Portugal. Lisboa: APLA.

DIAS, M. F. V.; JANARDO, M. J. e SILVA, R. J. P. (1982). O jornalismo em Portugal. País de marinheiros... e de jornais. Revista de História, n.º 45.

EMERY, M. e EMERY, E. (1996). The Press and America. An Interpretive History of the Mass Media, 8th edition. Englewood Cliffs: Prentice Hall.

ERICSON, R.; BARANEK, P. e CHAN, J. (1987). Visualizing Deviance: A Study of News Organizations. Toronto: University of Toronto Press.

ETTEMA, J. e GLASSER, T. (1998). Custodians of Conscience: Investigative Journalism and Public Virtue. New York: Columbia University Press.

FAIRCLOUGH, N. (1995). Discourse and Social Change. 3rd. edition. London: Polity Press.

FAIRCLOUGH, N. (1995). Media Discourse. London: Edward Arnold.

FANG, I. (1997). A History of Mass Communication. Six Information Revolutions. Boston: Focal Press.

FERNÁNDEZ PARRATT, S. (2001). A Reportaxe de Prensa en Galicia, Tese de doutoramento apresentada à Universidade de Santiago de Compostela.

FIGANIÉRE, J. C. (1850). Bibliografia Histórica Portuguesa. Lisboa: Tipografia Panorama.

FISHMAN, M. (1980). The Manufacture of News. Austin: University of Texas.

FISKE, J. (1993). Introdução ao Estudo da Comunicação. Porto: Asa.

FONSECA, M. (1927). Elementos Bibliográficos para o Estudo das Guerras Chamadas da Restauração. Coimbra: Imprensa da Universidade.

FONSECA, M. A. (1896). Subsídios Para um Dicionário de Pseudónimos Iniciais e Obras Anónimas de Escritores Portugueses. Contribuição Para o Estudo da Literatura Portuguesa. Lisboa: Academia Real das Ciências.

FOUCAULT, M. (1997). A Ordem do Discurso. Lisboa: Relógio d’Água [edição original de 1970].

FOUCAULT, M. (1999). Vigiar e Punir. 20ª edição. Petrópolis: Vozes [edição original de 1975].

FOWLER, R. (1994). Language in the News. 3rd edition. London: Routledge.

GALTUNG, J. e RUGE, M. (1965). The structure of foreign news. Journal of International Peace Research, vol. 1.

GAMSON, W. (1989). News as framing. American Behavioural Scientist, n.º 33.

GAMSON, W. e MODIGLIANI, A. (1989). Media discourse and public opinion on nuclear power: A constructionist approach. American Journal of Sociology, vol. 95, n.º 1.

GAMSON, W.; CROTEAU, D.; HOYNES, W. e SASSON, T. (1992). Media images and the social construction of reality. Annual Review of Sociology, vol. 18.

GANS, H. (1979). Deciding What’s News: A Study of CBS Evening News, NBC Nightly News, Newsweek and Time. New York: Pantheon Books.

GIDDENS, A. (1994). Modernidade e Identidade Social. Oeiras: Celta.

GIDDENS, A.; BECK, U. e LASH, S. (1995). Modernização Reflexiva. São Paulo: UNESP.

GITLIN, T. (1980). The Whole World is Watching. Berkeley: University of California Press.

GODINHO, V. M. (1963). Os Descobrimentos e a Economia Mundial. Lisboa: Arcádia.

GOFFMAN, E. (1975). Frame Analysis. An Essay on the Organization of Experience. Boston: Northeastern University Press.

GÓMEZ MOMPART, J. L. e MARÍN OTTO, E. (Eds.) (1999). Historia del Periodismo Universal. Madrid: Síntesis.

Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira, volume XII. Lisboa e Rio de Janeiro: Editorial Enciclopédia, Lda.

GRIMBERG, C (1967). História Universal. Vols. 10, 11, 12 e 13. Lisboa: Publicações Europa-América.

JEANNENEY, J.-N. (1994). Uma História da Comunicação Social.  Lisboa: Terramar, 1994.

KRIPPENDORFF, K. (1990). Metodología de Análisis de Contenido. Teoría y Práctica. Barcelona: Paidós.

LABOURDETTE, Jean-François (2001). História de Portugal. Lisboa: Dom Quixote.

LANCIANI, G. (1979). Os Relatos de Naufrágios na Literatura Portuguesa dos Séculos XVI e XVII, Lisboa: Instituto de Cultura Portuguesa da Secretaria de Estado da Cultura.

LEAL, J. S. M. e FIGANIÉRE, J. C. (1889). Catálogo das Importantes Livrarias dos Conselheiros José da Silva Mendes Leal e Jorge César de Figaniére. Lisboa: Tipografia Universal.

LISBOA, J. L. ; MIRANDA, T. C. P. R. e OLIVAL, F. (2005 e 2006). Gazetas Manuscritas da Biblioteca Pública de Évora. Vol. 1 (1729-1731) e Vol. 2 (1732-1734). Lisboa : Edições Colibri, Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade de Évora e Centro de História da Cultura da Universidade Nova de Lisboa.

LIVOIS, R. (1965). Histoire de la Presse Française. Paris: Le Temps de la Presse.

LÓPEZ GARCÍA, X. (Coord.) (2000). El Caton Compostelano. Estudios. Santiago de Compostela: Consello da Cultura Galega.

LULE, J. (2001). Daily News, Eternal Stories. The Mythological Role of Journalism. New York: The Guildford Press.

MACHADO, Diogo Barbosa (1966). Biblioteca Lusitana. Coimbra: Atlântida [Fac-simile da edição de 1752].

MAINGUENEAU, D. (1990). Le tour ethnolinguistique de l’analyse du discours. Langages, n.º 105.

MANSO, J. (1941, Dezembro). O Jornalismo. Separata do Boletim da Academia das Ciências de Lisboa, vol. XIII.

MARQUES DE MELO, J. (2003). História Social da Imprensa. Porto Alegre: EDIPUCRS [1ª edição publicada em 1974, sob o título Sociologia da Imprensa Brasileira, pela editora Vozes.].

MARQUES DE MELO, J.; FADUL, A.; ANDRADE, A. e GOBBI, M. C. (1999). O Mercosul na imprensa do Mercosul.  (Projecto de pesquisa). Texto policopiado.

MARTINS, H. (1964). Manuel de Galhegos. Um Poeta Entre a Monarquia Dual e a Restauração. Anadia: Tipografia Cisial.

MARTINS, R. (1942). Pequena História da Imprensa Portuguesa. Cadernos Inquérito, Série G − Crítica e História Literária, vol. XV. Lisboa: Editorial Inquérito.

MATTOSO, J. (Org.) (1993). História de Portugal. Lisboa: Círculo de Leitores.

MEDITSCH, E. (1992). O Conhecimento do Jornalismo. Florianópolis: Editora da UFSC.

MORAIS, C. A. (1941). Lourenço de Anvers: Primeiro Impressor da “Gazeta” Cognominada da “Restauração”. Subsídio para a História da Tipografia em Portugal, na passagem do Tricentenário da Sua Publicação 1641-1941. Separata do n.º 158 da revista Indústria Portuguesa. Lisboa: Associação Industrial Portuguesa/Grémio Nacional dos Industriais de Tipografia e Fotogravura.

MOREIRINHAS PINHEIRO, J. E. (1971). Notícias Históricas de Lisboa na Época da Restauração. Extractos da Gazeta e do Mercúrio Português. Lisboa: Câmara Municipal de Lisboa.

MUÑOZ-TORRES, J. R. (2002). Por Qué Interesan las Noticias. Barcelona: Herder.

MURIALDI, P. (1996). Storia del Giornalismo Italiano, Bolonia: Il Mulino.

NAVARRO, Francesc (2005). História Universal. Vols. 14 e 15 (As Mudanças da Idade Moderna). Lisboa: Promoway Portugal/Público.

NEVES, J A. (1983). A Imprensa de Língua Portuguesa no Mundo. Comunidades de Língua Portuguesa.

NEVES, J. A. (1989). História Breve da Imprensa de Língua Portuguesa no Mundo. Lisboa: Direcção Geral da Comunicação Social.

NORONHA, T. (1857). Ensaios Sobre a História da Imprensa. Lisboa: Tipografia Franco-Portuguesa de Lallemant.

OLIVEIRA MARQUES, A. H. (2006). Breve História de Portugal. 6ª edição. Lisboa: Presença.

PARK, R. (1940). News as a form of knowledge: A chapter in the sociology of knowledge. The American Journal of Sociology, vol. 45, n.º 5.

PASSOS, C. (1928). Navegação portuguesa dos séculos XVI e XVII. Naufrágio Inéditos. Novos subsídios para a história trágico-marítima de Portugal, Biblos, IV.

PENA RODRIGUEZ, A. (1994). Historia del periodismo portugués, in PIZARROSO QUINTERO, A. (Coord.). Historia de la Prensa. Madrid: Centro de Estudios Ramón Areces.

PEREIRA, A. X. S. (1895). Dicionário Jornalístico Português. Manuscrito inédito conservado na Academia das Ciências de Lisboa, Mss. série azul, n.º 445.

PEREIRA, A. X. S. (1895). O Jornalismo Português. Resenha Cronológica de Todos os Periódicos Portugueses Impressos e Publicados no Reino e no Estrangeiro Desde o Meados do Século XVI Até à Morte do Saudoso Rei Senhor D. Luís I, Bem Como os Jornais em Língua Estrangeira Publicados em Portugal Durante o Mesmo Tempo. Extraída do Dicionário Jornalístico Português. Lisboa: Tipografia Soares.

PEREIRA, A. X. S. (1897). Os Jornais Portugueses. Sua Filiação e Metamorfoses. Notícia Suplementar Alfabética de Todos os Periódicos Mencionados na Resenha Cronológica do Jornalismo Português Recentemente Publicada Pelo Mesmo Autor e Agora Correcta e Aumentada. Lisboa: Imprensa de Libano da Silva.

PERES, D. (Org.) (1934). História de Portugal. Barcelos: Portucalense Editora.

PEUCER, T. (2000). Os relatos jornalísticos. Comunicação e Sociedade, n.º 33, pp. 199-214, 2000. (Tradução de De relationibus novellis, Leipzig: Tese de Doutorado em Periodística – Universidade de Leipzig, 1690.)

PHILLIPS, E. B. (1976). What is news?  Novelty without change? Journal of Communication, vol. 26, n.º 4.

PINTO DE MATOS, R. (1878). Manual Bibliográfico Português de Livros Raros, Clássicos e Curiosos. Porto: Livraria Portuense.

PINTO, R. J. (1997). The Evolution of the Structure of Political Journalism in Four "Quality" Newspapers (1970-1995).  Tese de doutoramento não publicada, apresentada à Universidade do Sussex.

PIZARROSO QUINTERO, A. (Coord.) (1994). Historia de la Prensa. Madrid: Centro de Estudios Ramón Areces.

PONTE, M. C. M. (2002). Quando as Crianças São Notícia. Contributo Para o Estudo da Noticiabilidade na Imprensa de Informação Geral (1970-2000). Tese de doutoramento em Ciências da Comunicação, área de Jornalismo, apresentada à Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.

REMÉDIOS, M. (1914). História da Literatura Portuguesa. 4ª edição. Coimbra: Atlântida.

RIZZINI, C. (1968). O Jornalismo Antes da Tipografia. São Paulo: Companhia Editora Nacional.

ROCK, P. (1973). Deviant Behaviour. London: Constable.

RODRIGUES, A. D. (s/d). A Comunicação Social. Noção, História, Linguagem. 2ª edição. Lisboa: Vega.

ROSADO, Nuno (1966). A Imprensa. Colecção Educativa, n.º 11. Lisboa: Ministério da Educação Nacional/Direcção-Geral do Ensino Primário.

ROTHENBUHLER, E. W. e COMAN, M. (2005). Media Anthropology. London: Sage.

RUIZ ACOSTA, M. J. (1998). Historia General de la Comunicación: Escritura y Prensa. Alcalá de Guadaira: MAD.

SALVADORI, M. L. (Coord.) (2005) História Universal. Vols. 8, 9, 10 e 11. Lisboa: Planeta DeAgostini para Grupo Cofina, 2005.

SAMPAIO, A. F. (Org.) (1942). História da Literatura Portuguesa Ilustrada. Vol. III. Lisboa: Bertrand.

SÃO BOAVENTURA, Frei F. (1827). Memória do que se pode acrescentar ao que corre impresso na Biblioteca Lusitana sobre a vida e escritos do Cronista-Mor Frei Francisco Brandão”, in História e Memórias da Academia Real das Ciências de Lisboa, tomo X, parte I. Lisboa: Tipografia da Academia Real das Ciências.

SARAIVA, A. J. e LOPES, Ó (1985). História da Literatura Portuguesa. 13ª edição corrigida e actualizada. Porto: Porto Editora.

SCHUDSON, M. (1988). Porque as notícias são como são. Comunicação e Linguagens, n.º 8.

SCHUDSON, M. (1996). The Power of News, Cambridge: Harvard University Press, 1995.

SCHUDSON, M. (2000). The sociology of news production revisited, in CURRAN, J. e GUREVITSCH, M. (Eds.) Mass Media and Society. London: Edward Arnold, 2000.

SCHULZE SCHENEIDER, I (1994). La prensa en Alemania, in PIZARROSO QUINTERO, A. Historia de la Prensa, Madrid: Editorial Centro de Estúdios Ramón Areces.

SERRÃO, J. (1992). Dicionário de História de Portugal. Porto: Livraria Figueirinhas.

SERRÃO, J. V. (1962). História Breve da Historiografia Portuguesa. Lisboa: Verbo.

SERRÃO, J. V. (1973/1974). Historiografia Portuguesa. Volumes II e III. Lisboa: Verbo.

SERRÃO, J. V. (1980). A imprensa periódica, in História de Portugal: A restauração e a Monarquia Absoluta (1640-1750), vol. V. Lisboa: Verbo.

SILVA, I. F. (1859). Dicionário Bibliográfico Português. Estudos de Inocêncio Francisco da Silva Aplicáveis a Portugal e ao Brasil. Tomos 2, 3 e 6. Lisboa: Imprensa Nacional.

SILVA, I. F. S.; ARANHA, B. e BRITO, J. J. G. (1987). Dicionário Bibliográfico Português. Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda [reedição fac-similada].

SLOAN, W. D. (1991). Perspectives on Mass Communication History, Hillsdale: Lawrence Erlbaum Associates.

SMITH, A. (1979). The Newspaper. An International History, London: Thames and Hudson.

SOUSA, J. M. M. e VELOSO, L. M. M. (1987). História da Imprensa Periódica Portuguesa. Subsídios Para Uma Bibliografia. Coimbra: Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra.

SOUSA, J. P. (2000). As Notícias e os Seus Efeitos. Coimbra: Minerva.

SOUSA, J. P. (2005 b). Introdução à Análise do Discurso Jornalístico Impresso. Florianópolis: Letras Contemporâneas.

SOUSA, J. P. (2005). Elementos de Jornalismo Impresso. Florianópolis: Letras Contemporâneas.

SOUSA, J. P. (2006 b). A relação da muito notável perda do Galeão São João e a génese do jornalismo lusófono. Comunicação apresentada ao XXIX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Brasília, Brasil.

SOUSA, J. P. (2006 c, Novembro). As relações de naufrágios do século XVI e a génese do jornalismo lusófono. Comunicação apresentada ao IV Encontro Nacional de Pesquisadores em Jornalismo. Porto Alegre, Brasil.

SOUSA, J. P. (2006). Elementos de Teoria e Pesquisa da Comunicação e dos Media. 2ª edição revista e ampliada. Porto: Edições Universidade Fernando Pessoa.

SOUSA, J. P. (Coord.) et al. (2006). A Génese do Jornalismo Lusófono e as Relações de Manuel Severim de Faria. Porto: Edições Universidade Fernando Pessoa.

SPITULNIK, D. (1993). Anthropology and mass media. Annual Review of Anthropology, vol. 22.

STARR, P. (2004). The Creation of the Media. Political Origins of Modern Communications. New York: Basic Books.

STEPHENS, M. (1988). A History of News. New York: Penguin Books. [Consultada a versão brasileira de 1993: História das Comunicações. Do Tantã ao Satélite. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.]

STEVENS, J. e DICKEN-GARCIA, H. (1980). Communication History. Beverly Hills: Sage.

            TAMBOSI, O. (2007). Jornalismo e teorias da verdade. Revista Brasileira de Ciências da Comunicação, vol. 30, n.º 1.

TANCREDO DE MORAIS, A. N. (1941). Comemoração do Tricentenário do 1º periódico Português “Gazeta” de 1641. Separata da Revista Militar. Lisboa: Tipografia Liga dos Combatentes da Grande Guerra.

TENGARRINHA, J. (1989). História da Imprensa Periódica Portuguesa, 2ª edição revista e ampliada, Lisboa: Caminho. [Edição original de 1965.]

TENGARRINHA, J. (2006). Imprensa e Opinião Pública em Portugal. Coimbra: Minerva.

TRAQUINA, N. (2002). Jornalismo, Lisboa: Quimera.

TUCHMAN, G. (1976). Telling stories. Journal of Communication, vol. 26, n.º 4.

TUCHMAN, G. (1978). Making News. A Study in the Construction of Reality. New York: MacMillan.

TÚLIO, S (1866). Introdução bibliológica, in AA.VV. I Brinde Aos Senhores Assinantes do Diário de Notícias. Lisboa: Tipografia Universal, pp. I-XXII.

TÚÑEZ, M. (1999). Producir Noticias. Cómo Se Fabrica la Realidad Periodística. Santiago de Compostela: Tórculo Edicións.

VALLADARES, R. (2006). A Independência de Portugal. Guerra e Restauração 1640-1680. Lisboa: A Esfera dos Livros.

VAN DIJK, T. A. (1990). La Noticia Como Discurso. Barcelona: Paidós.

VELOSO, L. M. (2005). A Gazeta da Restauração e o nascimento da imprensa periódica portuguesa, in RUAS, João (Coord.). Tesouros da Biblioteca Pública de Évora. Lisboa: INAPA. 

VÉRON, Eliseo (1999). A Análise do Contrato de Leitura: Um Novo Método para os Estudos de Posicionamento de Suportes Impressos. Vitória: Universidade Federal do Espírito Santo.

WIMMER, R. D. e DOMINICK, J. R (1996). La Investigación Científica de los Medios de Comunicación.  Una Introducción a Sus Métodos.  Barcelona: Bosch.

WOLF, M. (1987). Teorias da Comunicação. Lisboa: Presença.

WOLFSFELD, G. (1991). Media, protest and political violence: A transactional analysis. Journalism Monographs, 127.


 ______________________________________________________________________________________________________________

O projecto de A Génese do Jornalismo. Jornais Periódicos do Século XVII em Portugal e na Europa é realizado com o apoio financeiro da Fundação para a Ciência e a Tecnologia, através de fundos estruturais da União Europeia, designadamente do FEDER, e de fundos nacionais do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.

 
          

      
Ċ
Jornais UFP,
31 de out de 2010 03:28