11. Gazeta: Índice de assuntos

Gazeta “da Restauração”: Índice de assuntos de alguns números

Mônica Delicato


Gazeta em que se relatam as novas todas, que houve nesta Corte, e que vieram de várias partes no mês de Novembro de 1641

N.º de ordem da notícia

Tema

1

Batalha naval entre holandeses e castelhanos. A armada holandesa envolvida na batalha, recolhida no porto, prepara-se para atacar os portos da Andaluzia.

2

Transferência do Conde de Castanheira da prisão de Setúbal para o Castelo de Lisboa.

3

Referência ao milagre do crucifixo da Sé e a morte de um homem após dizer que o braço do crucifixo poderia despregar.

4

Rebelião do galeão de Santa Margarida pedindo mais marinheiros e consequente resultado.

5

Certificação da prova de inocência de Luís de Abreu por conjura contra a pessoa Real.

6

Descrição da batalha entre os portugueses de Miranda e os mandados pelo Conde de Alba de Liste e o Marquês de Alcanises.

7

Nomeação do Conde da Vidigueira para embaixador de França.

8

Nomeação de Dom Antão de Almada como assistente dos negócios do reino.

9

Chegada de Frei Dinis de Alencastre das partes do Norte a mando do rei.

10

Descrição da batalha de Valverde e táctica adoptada pelo General Martim Affonso de Mello. 

11

Notícia dos sentimentos em que estavam os galegos após o combate com os portugueses.

12

Relato do encontro de 11 homens de Castro Lobeiro com hostes castelhanas.

13

Combate em Caminha.

14

Nomeação de Dom Rodrigo da Cunha Priorado do Crato.

15

Prisão de frade Beguino por espionagem.

16

Nomeação por mestres de campo de Cristóvão de Mello e Dom Sacho Manoel.

17

Publicação do subsídio eclesiástico.

18

Abertura do comércio de Moscobia.

19

Notícias sobre franceses na Fonte Rabia.

20

Chegada de caravela das Índias.

21

Nomeação de Dom Nuno Mascarenhas como capitão de cavalos.

22

Chegada do navio da esquadra de Rui de Brito que estava presumivelmente perdido.

23

Tristão de Mendonça é nomeado General tendo como seu almirante Capitão Francisco Duarte.

24

O Padre João de Matos noticia que o Sumo Pontífice aguarda a chegada do bispo embaixador de Portugal apesar de todos os entraves levantados por Castela.

25

Regresso de Franscisco de Sousa Coitinho do reino da Suécia. Relato do sucesso da viagem.

26

Relato do duelo entre o Conde de Bocoi com Monsiur Baron.

 

Notícias de Fora do Reino

27

Carta de um português sobre partida de naus de guerra da Holanda e o temor dos castelhanos em encontrar inimigos espanhóis. Notícia da armada holandesa saída de Pernambuco com uma esquadra portuguesa nos mares do Brasil, na volta da Bermuda.

28

Posicionamento da armada de Castela, sendo General o Duque Maqueda

29

Portugueses presos em Madrid.

30

O Bispo de Lamego fica em Marselha para dali passar à Roma.

31

Príncipe do Conde está sobre Perpinham.

32

Saques de Monsiur de la Mota em Aragão.

33

Recepção da nobreza de Portugal em Génova e Veneza. Dom João IV é admitido embaixador do Rei Dom Felipe.

34

Reforma da armada do Bispo de Bordéus.

35

O Papa levanta gente da igreja.

36

Acções do Rei de Inglaterra e intenção de restaurar o Palatinado.

37

Notícia de franceses em Fonte Rabia

38

Carta de Castro Marinho com notícia de destroços da Armada de Castela pela Armada de Holanda.

 

 

Gazeta do mês de Dezembro de 1641

N.º de ordem da notícia

Tema

1

Descrição da solenidade da restituição ao Estado de Portugal do seu legítimo rei (Dom João IV), com a participação do povo e das individualidades do reino, ocorrida na cidade de Lisboa.

2

Descrição de incursão da cavalaria portuguesa em território espanhol, pelos lados da cidade de Badajoz, e da batalha ocorrida com a cavalaria castelhana que veio ao seu encontro. 

3

Chegada de naus francesas a Samalo que trouxeram apoio de guerra ao rei de Espanha.

4

Impressão do livro Summa Universe Philosophie, de Padre Baltazar Teles.

5

Notícia vinda de São Miguel que uma esquadra portuguesa se apoderou de uma nau castelhana que levava apoio de guerra para a fortaleza. 

6

Chegada de prisioneiros castelhanos e galegos.

7

Batismo de dois fidalgos mouros em Mazagão.

8

Visita de Sua Majestade aos armazéns e armada real.

9

Despacho de D. Fernando Telles de Faro a Capitão Mor da vila de Campo Mayor.

10

Morre o Conde de Odemira.

11

Fuga de soldado estrangeiro, sua captura e seu enforcamento.

12

Saques de tropas de cavalaria castelhana e de mosqueteiros nas fronteiras de Trás-os-Montes. Ajuntamento de companhias portuguesas e busca dos inimigos em Bemposta, com batalha e retirada dos castelhanos.

13

Envio de cadea de ouro e anel de diamante do Rei de Portugal ao general da armada de Holanda e ao seu almirante e cadeas de ouro aos capitães.

14

Descrição do resultado da luta travada entre castelhanos que vão a Campo Maior e se encontram com 40 cavaleiros da terra que, posteriormente, foram socorridos por holandeses. 

15

Morre Padre Diogo de Areda, pregador da companhia.

16

Sermão do Padre Inácio Mascarenhas na festa de São Francisco Xavier.

17

Os portugueses de Castro Laboreiro, sabendo da realização de uma feira na Galiza, fizeram emboscada aos galegos e depois de capturar e matar alguns trouxeram o gado de lá.

18

Saída de navio do Brasil do porto de Caminha, que apanhado por tempestade, encalhou perto da fortaleza da Guarda. Descrição do ataque dos galegos ao navio encalhado e resposta dos portugueses de Caminha.

19

Descrição da saída de Dom Rodrigo de Castro, capitão de cavalos, ao encontro dos castelhanos com prisioneiros portugueses para os lados de Estremoz.

20

Nau de Inglaterra trazia soldados portugueses prisioneiros em Ceilão e Flandres, assim como apoiantes do Rei de Portugal nestas guerras. Identificação dos apoiantes do Rei.

21

Notícia da chegada a suas casas do Conde de Castanheira, Conde de ValdeReys e Gonçalo Pires de Carvalho.

22

Notícia da Baia que os holandeses tinham enviado uma esquadra a Angola e declaração do general da armada de Holanda sobre tal acto.

23

Preparação pelo Governador de Angola, Manuel Quaresma Carneiro, da defesa da cidade. Batalha de nau francesa e outra portuguesa contra nau castelhana. 

24

Notícia da ida a Campo de Marvão do Duque de Medina Sidonia com sua cavalaria com a intenção de desafio ou mostrar posse ao General Martim Afonso de Melo que foi ao seu encontro ido da cidade de Elvas. 

25

Nomeação do Marquês de Ferreira para o cargo de mordomo da Rainha de Portugal, feita pelo Rei de Portugal.

 

Notícias de Fora do Reino

26

Armada francesa, enviada ao reino, refugia-se em portos da Bretanha por causa de um temporal mas que daí partirá novamente por Janeiro e reforçada com mais dez navios.

27

Marquês Manuel Silvestre de Guzmán Ayamonte está preso, e com muitos guardas, por ordem do Rei Filipe.

28

Marquês Armand de Maillé de Brézé está na Catalunha com um exército e que tem sitiada Tarragona.

29

Notícia e dúvidas levantadas pela morte do Infante Cardeal sobre a governação de Airien, praça no país de Artóis, ganha pelo Rei de França ao Rei Filipe de Espanha.

30

Notícia do naufrágio de uma das três naus que saíram de Cádis com dinheiro para Londres e Flandres.

31

Notícia de que o Conde de Torlon, servindo a Coroa de Castela na fronteira de Ayamonte, castiga soldados por fugirem do alojamento e que o Bispo de Lamego foi recebido em Roma com grande aplauso.

32

Notícia do envio pela Rainha da Suécia e da batalha travada contra Octávio Piccolomini e o exército do Imperador da Alemanha.

33

Notícia e relato, tendo como fonte os soldados que vieram da Índia e da Flandres, da descrição dos acontecimentos por que passaram os Embaixadores de Inglaterra, desde que saíram de Portugal até chegarem a Londres assim como da recepção de que foram alvos e dos objectivos conseguidos.

34

Notícia da entrada do Rei de Inglaterra na Escócia acabando com a rebelião e nomeando Conde a Lailei.

35

Notícia da ida ao Reino da Irlanda de Comissários do Rei Carlos de Inglaterra com o sentido de fazer saber que o Rei Carlos era o verdadeiro Príncipe e Senhor da Igreja assim como a resposta dada pelos Irlandeses Católicos e seus aliados. 

36

Notícia da guerra entre católicos e protestantes, impressa em Dublin, foi lida publicamente no Parlamento de Londres.

37

Notícias e descrição das alterações, instabilidades e perseguições que ocorrem em Londres sobre a religião, nomeadamente sobre os Católicos Romanos.

38

Notícia da esperança de que o cerco a Airien fosse alvo de socorro pelo exército do Rei de França.

39

Notícia da tomada de um navio vindo de Roterdão pelos habitantes de Dunquerque.

40

Notícia da renúncia e substituição do Duque de Maqueda por D. Francisco de Mecia como Capitão da armada de Castela.

41

Notícia de que o Duque de Fernandina se retirou do cargo de General das Galés de Espanha.

42

Notícia de que o Rei Filipe de Espanha mandou transferir gente da fronteira para o porto de Andaluzia e explicação da razão para tal ordem.

43

Notícia dos gastos do Rei Filipe de Espanha nas guerras com Portugal e suas dependências.

44

Notícia de informações vindas de Itália sobre as decisões de Sua Santidade relativamente a envio de pessoas para a guerra e da posição do Príncipe de Parma como Capitão General.

45

Notícia sobre o resultado do encontro entre a armada da Holanda e de Castela.

 

 

 

Gazeta do mês de Janeiro de 1642

N.º de ordem da notícia

Tema

1

Defesa portuguesa de invasão castelhana em Elvas e Badajós e recuperação de animais roubados.

2

António Pessoa Campo presenteia o príncipe com um cavalo, na véspera do Dia de Reis.

3

Desfile da Armada no Dia de Reis e publicidade de paz entre o Rei e a

Rainha da Suécia durante o evento.

4

O Rei e a Relação julgam caso de furto de barris de pólvora envolvendo Mineirinho da Armada e um escrivão, condenando o primeiro e libertando o segundo por isenção de culpa.

5

Mineirinho da Armada é enforcado e sua cabeça posta no terreiro de São Paulo.

6

O General Dom Gastão Coutinho envia de presente ao Príncipe quatro cavalos, uma águia real e uma espada antiga e valiosa.

7

O Rei vai a Barcarena visitar fábrica de armas.

8

Por via de um navio aportado no Fayal e em Viana sabe-se que portugueses de Ilha Terceira tentaram entrar na fortaleza, sem sucesso.

9

O Rei vai a Santa Engrácia no dia de sua festa.

10

Notícia de carta escrita em Elvas confirmando a fuga de 17 soldados estrangeiros para Castela, oito a pé e nove à cavalo, rendidos por uma tropa da cavalaria castelhana e levados à Badajós. Foram enforcados os que estavam a pé e os que estavam à cavalo foram mandados para as galés.

11

Notícia do que ocorreu a um galego, prisioneiro na Beira, na batalha entre castelhanos e portugueses.

12

Notícia de navegação capitaneada por Manuel Homem, de Génova, que saiu de Rochela com 62 soldados portugueses de Flandres, da Catalunha e de outras praças de Espanha e aportou em Lagos, deixando os soldados em terra e partindo para o Cabo de São Vicente, onde encontrou cinco fragatas de Dunquerque e escapou da perseguição valendo-se da fortaleza de Sagres, mas com danos porque os soldados vieram por terra e entraram em Lisboa, no dia 8 do mês.

13

Notícia de galegos de Vila da Barca que se deslocaram em três barcas para Vila Nova e incendiaram trincheira e reduto, após conhecimento da ida de D. Gastam Coitinho e alguns capitães à Braga. Prevenidos pelos portugueses para saírem de lá, assim o fizeram com pressa e afogaram-se alguns.

14

Notícia de duas embarcações inglesas que saíram de Priamua rumo ao Estreito mas que aportaram na cidade devido uma tempestade.

15

Notícia da chegada de pessoas de Madrid e Sevilha à cidade.

16

O Rei fez mercê aos frades Bernardos, da Comenda de Alcobaça, assim como o Rei Dom Afonso Henriques.

17

Morre no convento de São Francisco o Padre Frei Lourenço de Portel, autor de diversos livros com que autorizou no mundo o nome Português.

18

Notícia de que no castelo de Vila de Segura, capitaneado pelo Alcaide mor Gaspar Moisinho, foram vistos lumes nas sentinelas impossíveis de serem apagados, queimando quem tentasse. Testemunhas que viram os lumes duas noites antes foram ter com Dom Rodrigo da Cunha, Arcebispo Metropolitano.

19

Notícia dos estragos que mau tempo com vento, chuva e neve, causou durante o mês. Relata que no bairro de São Paulo desabaram duas casas, matando duas pessoas. Arruinou-se o recolhimento de São Cristóvão e as órfãs foram alojadas numa casa junto à igreja de São Vicente. Na rua dos canos um homem afogou-se com as águas da chuva e apareceu um homem morto no cano Real do Terreiro do Paço. Um raio caiu junto ao baluarte da carreira dos cavalos.

 

Novas de Fora do Reino

20

Notícia que os portos em Castela estão fechados e que na Ciudad de Rodrigo estão presos mais de 200 portugueses.

21

Notícia de portugueses de Madrid que foram à Sevilha comprar tecidos para dar a entender que estavam a negócios e de noite foram para a Inglaterra. Em toda a Andaluzia, os portugueses ficam envergonhados e são perseguidos pelo povo que a uns matam e a outros mandam para Larache e Mamora.

22

Notícia de fidalgo português que foi à Sevilha, a mando do Rei de Castela, para levantar um terço de portugueses para Nápoles.

23

Notícia que Monsieur Philippe de La Motha-Houndancourt está em Tarragona com 18 mil infantes franceses, 7 mil catalães e 4.500 cavalos, e que, devido ao inverno, alojou-se na Vila de Reus, Monblanca, Valhes, Constantin, Vila Seca, Cãbrilles e Vila Franca de Panaderes.

24

Notícia de que o napolitano Príncipe de Botera fez grandes diligências  para ir à Itália. Relato da invasão na Praça de Espanha com o tenente da cavalaria, Dom Álvaro de Quinhones, da tropa do General Duque de São Jorge, filho do Marquês de Torreclusa, com 4.500 cavalos, três mil militares e 500 de contínuos. 

25

Registo da falta de mantimentos e de gente em Tortosa, Perpignan e Salfes.

26

Notícia do protesto do cabo francês Monsieur de S. Tonè, que pede socorro para a guerra que se espera no Verão e que não lhe atendem.

27

Notícia de que em vários locais da França (Rochella, Burdeaux, Tolosa e Narbona) se fazem levas de gente para Leucate, a mando de Monsieur de Argéson, que os envia ao Príncipe de Condé para, na Primavera, sitiar Perpignan e Salses.

28

Notícia de que, devido ao intenso Inverno, Sevilha ficou alagada, afogaram-se algumas pessoas e outras morreram de fome.

29

Notícia de que o tenente general da Catalunha, Marechal de Bersè, foi com 1500 cavalos e quatro mil infantes em socorro a Monsieur de La Motha, em Tarragona.

30

Notícia que, a mando do Rei de França, o arcebispo de Bourdeaux prepara a armada, que está em Marsele e Tolon, para ir em socorro a Tarragona.

31

Notícia da guerra na Irlanda e do assassinato de mais de seis mil ingleses pelos católicos romanos, e da armada que foi em socorro aos protestantes, a mando do Parlamento. Relata ainda que o Rei Carlos mandou dizer aos irlandeses que os que os obedecessem seriam perdoados e aos outros os declararia traidores e seriam destruídos a fogo e sangue.

32

Notícia de que o Marquês de Bresé está na Rochella com a maior armada que a cidade já recebeu e que sairá com o primeiro tempo.

33

Carta escrita em Bruxelas, a 16 de Dezembro, revela que a praça de Airien está cercada pelo exército do Rei Filipe, mas que o socorro do Rei chega, deixando os castelhanos receosos de alguma ruína e que, sem dúvidas, levantaram o cerco.

34

Notícia de que o Arqueduque Leopoldo está para tomar posse, em Flandes, e das controvérsias políticas nas províncias. Relato de que alguns querem se unir aos estados da Holanda, outros a República, outros entregar-se ao Rei de França e outros, em menor número, à parcialidade do Rei Filipe. A controvérsia é que os holandeses têm a maior parte das suas praças em Barbante e o Rei de França tem tomado duas praças fronteiras em Luxemburgo e Anau, conquistando o País de Artois a Arràs, a Hesdin, a Bampama e Arien. A notícia retrata que enquanto as armas de Espanha andavam prósperas, as províncias estavam com alguma confiança, porém, como têm dois inimigos de Espanha, o Rei Filipe está acossado por tantas partes que há receio de que haverão ruínas e grandes alterações com a entrada do Arqueduque. A notícia ainda relata que o Rei de França envia comissários às províncias os quais, em seu nome, lhe propuseram que deitassem fora os espanhóis e se governassem como República livre, que lhes daria auxílio e protecção. Finaliza que até o momento não responderam à proposta do Rei.

35

Notícia de que o Príncipe de Condè impediu que os castelhanos dessem socorro em Tarragona.

36

Notícia da fuga de soldados de Aragão e Tortosa (praças de armas da guerra de Catalunha do Rei Filipe) por falta de socorro.

37

Notícia da derrota de uma frota de Espanha que saiu de Abana e que no Canal de Bahama enfrentou um temporal, chegando somente três navios, dos quais um entrou em Cádis e dois se perderam.

 

 

 

Gazeta do mês de Fevereiro de 1642

N.º de ordem da notícia

Tema

1

Relato de que, no primeiro sábado do mês, saíram da Ponte da Barca algumas tropas da infantaria portuguesa e marcharam em romaria para Vila de Gerés, no Reino de Galiza. Não houve resistência dos galegos, que fugiram do lugar. Os portugueses foram orar na igreja de Nossa Senhora dos Remédios, sem roubar nada ou fazer dano ao lugar e ficaram muito felizes em poder fazer a romaria.

2

Notícia de que no dia 6, Monsieur de Mahè, coronel de quatro regimentos de cavalaria, Senhor da Turcha, Cavalheiro da Medalha e oficiais a cavalo foram passear pela cidade e dar voltas ao Terreiro do Paço.

3

Notícia do aniversário do Príncipe Dom Theodosio no dia 8, onde os fidalgos vestiram-se em traje de gala e era previsto festas de cavalo, mas que, devido a impossibilidade do Rei em assistir, não foram realizadas comemorações.

4

Notícia de que marinheiros foram à igreja de Nossa Senhora da Estrela dar graças a um milagre. O relato do milagre é transcrito. Dizem que, estando na embarcação de Nossa Senhora da Estrela, na Bahia de Todos os Santos, alguns marinheiros saíram num batel que foi atacado por um peixe espada, que com o seu bico cortou o batel. Desesperados, rogaram protecção de Nossa Senhora da Estrela e neste instante o peixe acalmou e se deixou capturar pelos marinheiros. Trouxeram o peixe vivo à terra, mataram-no e arrancaram-lhe o bico, levando o peixe para o altar da igreja em oferecimento, pelo milagre concedido. 

5

Notícia de que tropas da cavalaria portuguesa saíram para a Guarda e outras terras da Beira.

6

Notícia de que em várias áreas fronteiriças de Portugal e Espanha, os castelhanos fizeram fumaça a fim de que o vento o deitasse para Portugal e fizesse fugir o gado para o território espanhol. No entanto, o vento mudou de direcção e o gado deles é que fugiu para as terras portuguesas.

7

Notícia da nomeação de António de Saldanha a General da Esquadra, que dará à vela no primeiro tempo.

8

Notícia da prisão de um espião no Crato, que veio de Castela, e que foi mandado para Elvas.

9

Notícia da nomeação de Manoel de Sousa Pacheco a Governador da Ilha Terceira.

10

Castelhanos de Badajós foram ao Campo Maior e receberam dos portugueses uma carga de mosquete debaixo da artilharia, matando mais de 40 homens e prendendo oito.

11

Notícia da tomada de posse, no dia 13, por Vedor da Fazenda e superintendência das armadas, do Marquês de Montalvão, nomeado pelo Rei.

12

Notícia de que no dia 13, entre as 7 e 8 horas, faleceu o Capelão Mor em virtude de febres que já sofria há sete dias.

13

Notícia de que a cavalaria do Alentejo, com novo Comissário que substituiu o que foi assassinado em Valverde, foi reformada e saiu para Badajoz. Relata ainda que os castelhanos não ousaram enfrentar os portugueses e que se retiraram após verem tudo assolado.

14

Notícia de que uma mulher foi encontrada esquartejada dentro de um saco, no forro de uma casa junto a Praça dos Canos. Não há notícia de quem foi e presume-se que foi o marido.

15

Notícia que a Vila de Cascais vai-se fortificando e que D. António Luiz de Menezes, governador das armas da Vila, assiste com cuidado a toda a fábrica.

16

Notícia de que da nobreza e dos privilegiados se fazem quatro terços, dos quais é Coronel o Príncipe D. Theodósio e tenentes Marquês de Montalvão , Conde de La Torre, Conde da Calheta e Conde de Unham.

17

Notícia de que António Pessoa Campo providencia a fabricação de uma carreta para o tiro de Dio (?), que por ser grande e pesado estava descavalgado, como verificaram os engenheiros. 

18

Por carta escrita entre o Douro e o Minho, no dia 7 deste mês, avisa-se que o Marquês de Val Paraíso entrou com quatro mil infantes pela Ponta das Varjar, marchando por Lamas de Mouro, Mosteiro e Coito das Travas e que fez dano porque não havia força bastante para resistir a tanta gente. O relato ainda diz que quando chegou o aviso na praça de armas, se preveniram em Braga o General Dom Gastão Coutinho e o Coronel Francez, saindo ao encontro com a gente do presídio. De Melgasso vieram três companhias. O Marquês de Val Paraíso, vendo a multidão contra ele, não quis esperar e se retirou para Lamas de Mouro, alojando-se em um reduto que os portugueses haviam ganhado.

19

Notícia da chegada de uma nau da Grã-Bretanha, com apetrechos de guerra e mercadorias, no dia 15.

20

Notícia de que um menino mudo falou “Viva o Rei Dom João IV”, na Comarca de Miranda. Testemunhas estão sendo reunidas por ordem da Sé de Miranda.

21

Notícia da entrada, no dia 18, de uma nau francesa, vinda de Génova, abastecida com mercadorias.

22

Notícia de que o Rei mandou que se tornasse às partes o terceiro quartel dos juros, tenças e ordenados, pedido por empréstimo no ano de 1641 por entender que o dinheiro da décima e da vintena basta para a guerra.

23

Notícia de que duas fragatas ao estilo de Dunquerque estão a ser construídas na ribeira das naus, para andarem na armada.

24

Notícia de algumas tropas da cavalaria castelhana que entraram nas terras do Alentejo e levaram grande quantidade de porcos e de gado. Relata ainda que os portugueses saíram e correram os campos de Guadiana, trazendo mais de sete mil ovelhas.

25

Notícia de que as naus que vieram com o Embaixador da Suécia foram carregadas em Setúbal com sal e mercadorias. Relata também que levou dois grandes presentes à Rainha, oferecidos pelo Rei e pela Rainha de Portugal.

26

No dia 22 veio notícia de que estavam alguns portugueses em Tavira, que de Andaluzia vieram por Ayamonte e um deles é Dom João de Sousa. 

27

Notícia de que o Rei foi à banda ver os galeões.

28

Notícia de que Manoel da Silva Mascarenhas é nomeado Capitão mor da Vila de Mourão.

29

Notícia de uma fragata de Dunquerque que chegou nas penhas da Arrábida, na qual haviam alguns prisioneiros, entre eles portugueses. O relato ainda diz que um deles se lançou ao mar, escapando dos tiros e que foi nadando até que uma tartaruga o botou em terra.

30

Notícia de que veio de Catalunha, via Madrid, um capitão português que se achou no cerco de Tarragona, ficando por lá três meses pelas dificuldades que há na passagem.

31

Notícia de nau de São Domingo, que se esperava de Liorne, e que entrou no porto no dia 25, em companhia com outra de Veneza.

32

Notícia de que a Rainha foi ao Mosteiro da Madre de Deus com todo o acompanhamento Real.

33

No último dia do mês se publicou a provisão do dinheiro e em cada Comarca do reino se fez uma casa de moeda.

 

Novas de fora do Reino

34

Notícia de que de Rochele avisa-se que cada província se oferece para contribuir com quatro mil homens pagos para todas as guerras. Relata que o Rei dá pelos dois anos a metade dos direitos e rendas reais. Afirma-se que estão alistados nas praças de França cerca de duzentos mil infantes. 

35

Notícia de distribuição: 50 mil para Catalunha, 20 mil para Fuenterabia, 50 mil para Flandres, 10 mil para Bolonha, 20 mil de socorro para Suécia, 10 mil a Portugal, 14 mil para as praças de Itália. E os mais para a armada, que vai para Levante.

36

Notícia de que em Cádis se prepara socorro para a fortaleza da Ilha Terceira e entram alguns navios da frota da nova Espanha.

37

Notícia de que a armada do Rei que vem para esta cidade não espera mais. Monsieur Capitão de mar e guerra, que esteve da outra vez nesta corte, escreveu à pessoa, em cuja casa o alojaram, que esperasse por ele e que voltaria outra vez a ser seu hóspede.

38

Notícia de que em Inglaterra vão por diante alterações e estão as coisas embaraçadas. As novidades na religião são tantas que as liturgias dos protestantes estão quase acabadas, e o livro comum das preces estão emendadas em algumas partes e em outras de nenhuma maneira o aceitam.

39

Notícia de que o Arquiduque Leopoldo entrou em Flandres e foi com 20 mil infantes unir-se com os espanhóis, os quais com este socorro tomaram a praça de Aires, mas o exército de França (ainda que com este encontro se retirou com danos), logo se reformou e veio sobre eles, e os têm sitiados e em grandíssimo aperto.

40

Notícia de que aumentam as vexações dos portugueses em Castela, principalmente em Andaluzia, onde muitos foram presos, entre eles o capitão Jordão de Barros de Sousa.

41

Notícia de que o exército da Rainha da Suécia está a prevenir-se para sair a campanha.

42

Notícia de que em Madrid, tropas da cavalaria foram para Vinerós, por ordem do Marquês de Laganez.

43

Notícia de que Dom João de Garai, que governa as armas em algumas praças de Estremadura, quer pedir ao Rei de Castela para deixar o cargo, por falta de socorros.

44

Notícia que acode alguma infantaria à praça de armas de Merida, mas segue para Catalunha. Há muitos cavalos, mas na maioria desmontados.

45

Notícia de que Chel de La Reina, que era de Mestre de Campo, em Tarragona, está na corte de Madrid esperando que o despachem. Em seu lugar ficou o Conde de Aguiar Marquês de Inojosa.

46

Notícia de que a praça de Baupama (que era do Rei Filipe) se entregou ao partido do Rei de França os espanhóis, que ali estavam de guarnição, e lhe pediram acesso até a primeira praça do Rei Filipe, e ele lhes concedeu. E foi uma das capitulações do partido, com que lhe entregaram a praça: com salvo-conduto firmado pela mão real e com um trombeta francês se puseram a caminho. Chegaram a pedir alojamento a São Thomé (que é a primeira praça do Rei Filipe, em Baupama), porém, o governador não os pode acolher em razão de que havia dentro mais gente que a terra podia sustentar e, além disso, estava receoso de que o exército de França o sitiasse. Assim foi  necessário buscar alojamento a outra praça e chegaram em Arràs. O governador Monsieur de Samprul disse-lhes que o salvo-conduto e o acesso à primeira praça do Rei Filipe se cumpria e, apesar da admoestação que lhes fez o trombeta, requerendo-lhe que deixasse passar as tropas, que foram rendidas a bom quartel, que o seu Rei lhes havia concedido, deu nelas e não ficou homem a quem não tirasse a vida. Foi esta desordem tão estranha do Rei que ainda que este Monsieur, por seu valor, fosse digno de todos os favores, lhe mandou cortar a cabeça. A sua morte causou lástima até nos próprios inimigos porque o seu brio foi tão grande como o do Mariscal de Biron. E o mesmo Rei, depois de o sentenciar, escreveu a Monsieur Gastão uma carta significando-lhe o íntimo desgosto, que foi necessário, por razão do estado, tirar a vida de um tão valoroso capitão.

47

Notícia de que Monsieur de La Mota continua com o cerco de Tarragona e dizem que por parte alguma é possível lhe darem socorro.

48

Notícia de que em várias partes da Itália se fazem prevenções de guerra. Génova se fortifica. O Sumo Pontífice tem levantado 30 mil homens e o Príncipe de Parma está com um poderoso exército, mas a empresa não se sabe.

49

Notícia de que a fortaleza de Mônaco, a qual era da protecção do Rei de Espanha, guarnecida com infantaria espanhola, e fundada no alto de umas penhas entre Nisa de Proença e Génova, de que era senhor o Príncipe Grimaldi, está hoje pelo Rei Cristianíssimo.

50

Relato sobre o que se passou na viagem do Bispo de Lamego à Roma. Desembarcou em Rochele, ficando por lá nove dias. Seguiu para Paris e foi hóspede do Monteiro mor, Embaixador de Portugal em França. Partiu para São Germão para ver o Cristianíssimo e retornou a Paris. Foi a Picardia pedir licença à Majestade para passar adiante. Voltou a Paris, de onde foi a Lion de França, entrou em Avinhão e após três dias foi a Ahis. Passou a Tolon, em cujo porto estava disponível para ele uma nau com muita gente de guerra, por ordem do Cristianíssimo. Saiu e aportou nas ilhas de S. Honorata, Borma e Antigo. Chegou a Ciuita Vechia com mau tempo e perdido. Neste lugar, como era esperado pelo Governador, por ordem do Sumo Pontífice, foi solicitado que fosse à terra, o que ele não quis. João Baptista Leão, um criado do Rei, que foi mandado à Roma e há sete anos assistia naquelas partes, foi ver o Bispo e ele o mandou à Roma a prevenir o que era necessário para o caminho. Negociou João Baptista Leão, retornou de Roma e com ele vieram 450 corsos de cavalo, por ordem de Sua Santidade, e haviam oito dias que andavam 150 esbirros (?), assegurando a campanha de bandoleiros. Veio também o secretário da embaixada de França, com alguns monsieurs. Pos-se o Embaixador ao caminho onde encontrou infinitas carroças de portugueses, franceses, italianos, que concorriam a vê-lo. A uma légua de Roma lhe saiu ao encontro o Embaixador de França e o Cardeal Nipote Franscisco Barbarino, o qual disse para que não entrasse de dia para que o desgosto dos espanhóis e a alegria do povo não causasse inquietação e assim ele o fez. As duas horas da madrugada entrou pela porta dos cavalos ligeiros e dali mandou que a sua gente fosse andando em duas esquadras até a Fontana de Tavere, onde estava o Embaixador de França, e foram uns pela Vila Longàra e outros pela ponte de S. Ângelo, mas nem por isso o povo deixou de alvoroçar, que homens e mulheres andavam pela rua gritando: “Viva D. Giovanne IV”. Atrás de todos, com Pantaleão Rodrigues Pacheco, agente do Rei em Roma, e Rodrigo Rodrigues de Lemos, secretário da Embaixada, foi o Bispo acompanhado do Cardeal Biche e do Embaixador de França, em cujo palácio se hospeda. Fica no palácio enquanto na praça de Naona é preparado o seu palácio, que custa cada ano de aluguer 1.400 escudos e neve pousavam sempre os Embaixadores da Alemanha.

51

Notícia de que um retrato do Rei foi colocado numa sala do palácio do Embaixador de França e foi visto por muita gente de Roma. Os pintores faziam infinitas cópias, que se compravam para adornar as casas em Roma e para mandar para outras partes.

52

Notícia de que o Bispo fez uma grande casa e está ordenado que se vá para a quinta do Papa Júlio, e que dali faça entrada pública, para a qual se estavam fazendo três librés (?): uma para o campo, outra para entrar em Roma e outra para entrar no Sacro Palácio.

53

Saiu um manifesto italiano do direito do Rei.

54

Criou o Sumo Pontífice 12 cardeais e publica-se a lista dos nomeados.

55

Nas dignidades, que vagaram por estes novos Cardeais, é publicada uma lista de seus substitutos.

56

No que se diz na Gazeta de Dezembro acerca de São Tomé, se advirta que o Governador Manoel Quaresma era já morto.

 

 

 

Gazeta do mês de Março de 1642

N.º de ordem da notícia

Tema

1

Relato de que pelo jubileu do Entrudo o Rei foi com toda a casa Real à Igreja de São Roque. Assistiu a festa, de quem era mordomo o Marquês de Montalvão. Acompanhou o santíssimo sacramento, levou uma vara do palio e outras levaram o Marquês de Gouveia, o Visconde de Vila Nova de Cerveira, o Conde do Redondo, o Conde de Óbidos e o Conde da Vidigueira.

2

Relato de que no primeiro sábado do mês, carta dentre Douro e Minho avisa que um capitão da infantaria francesa, tenente coronel, enfadado com a suspensão das armas e do grande ódio dos soldados em Braga, por causa do inverno, deliberou sair à campanha e entrar em terras inimigas. Este a persuadir os soldados e em prevenir munição durante oito ou nove dias. Saiu com a sua companhia, composta por portugueses de Flandes e da Catalunha. Passaram por Melgasso, Varjas e na Galiza entraram, destruíram tudo e renderam homens. Os inimigos fizeram um cerco na vanguarda e na retaguarda numa táctica de emboscada. O capitão reuniu os soldados e exortou-os que antes perdessem a vida, que a honra, e todos, unânimes, enfrentaram os inimigos e saíram heróicos, sem baixa e com um soldado ferido que foi curar-se em Braga, onde estava o General D. Gastão Coutinho. O coronel francês se foi para as fronteiras do Minho.

3

Relato de que no primeiro domingo da Quaresma, na igreja de S. Antão, o padre disse aos ouvintes que dessem graça às boas novas trazidas por um correio que veio de Itália, por via da Pérsia, e que dizia que o Rei já estava na Índia Oriental, aclamado por Rei até pelos príncipes mouros e que as armas portuguesas estão prósperas por lá.

4

Por carta escrita em Elvas a 5 do mês, sabe-se que nas vésperas do Entrudo, vieram aos campos de Portugal três terços da infantaria castelhana e onze ou doze tropas de cavalos, os quais fizeram alto no posto do Conselho, a uma légua de Elvas. Sem resistência, avançaram para Martires. Os portugueses acodiram todos os muros e trincheiras e um capitão da infantaria foi entreter o inimigo enquanto o esquadrão era formado. Travou-se uma batalha com espadas, com mortos e feridos, inclusive o capitão português. Foram capturados dois castelhanos, seis cavalos. Houve quem viu dos muros de Elvas muitos carros de La Mancha e como a maior parte do exército português estava dividido em outras fronteiras e por ali não tinham mais do que 400 cavalos, acodiu o General Martin Afonso de Mello e os mestres de campo, com mais gente. Estiveram os castelhanos e portugueses na campanha até as 15 horas. Neste meio de tempo, o licenciado João Pais de Paredes e dois amigos seus enfrentaram em Bragada quatro castelhanos a cavalo. Dois fugiram e dois foram rendidos para Elvas. Os castelhanos se retiraram e levaram grande número de gado que pastava no campo.

5

Notícia de que o Rei ofereceu uma comenda ao Doutor Pedro de Castro de Mello pelos serviços de seu filho, o Capitão Jerónimo de Castro de Mello, que morreu na defesa de Valverde, e fez mercê a vários fidalgos.

6

Relato de que aos campos de Moira vieram 300 cavalos e alguns mosqueteiros castelhanos, levando 40 cabeças de gado e cavalgaduras com fatos. O Capitão D. Henrique Henriques, com sua companhia de 60 cavalos e 40 mosqueteiros, seguiu umas léguas e vieram em seu socorro 90 mosqueteiros de Vilas de S. Aleixo e Safara. O batalhão seguiu para Aroche e levaram três cargas dos castelhanos, sem danos. Os portugueses deram neles e recuperaram as presas, tiraram a vida de 40 homens e renderam 14, ficando também com os cavalos, espingardas, pistolas, carabinas, selas e vestidos. Após o conflito, quatro cavaleiros castelhanos foram buscar o corpo de um tenente morto na batalha. Três deles foram mortos e o que ficou prisioneiro afirmou que os que se retiraram feridos morreram quase todos. Os destroços de gente e animais dos inimigos foi grande, e pessoa digna de crédito diz que o sangue correu pela ribeira de Chaça. 

7

Relato de que na quarta-feira de cinzas saiu de Elvas Gaspar Pinto Pestana, comissário da cavalaria com 700 cavalos e alojou-se em Campo Maior. Duas companhias foram reconhecer o campo e encontram um clérigo castelhano, Licenciado Gordito, com 25 cavalgaduras e alguns soldados de escolta deram neles, matando seis homens, rendendo os demais, dando uma cavalgadura para o clérigo seguir. No dia seguinte, o comissário de Campo Maior saiu com a cavalaria e 500 mosqueteiros e em Villar del Rey matou dois cavalos e 30 pessoas nas trincheiras, rendendo 24. O comissário retirou-se levando grande número de vacas, porcos, ovelhas, cabras, cavalgaduras e cargas de roupas brancas.  

8

Notícia de que em Aldeia da Ponte, junto à Vila de Alfaites, perto da Guarda, castelhanos da Ciudad Rodrigo e tomou as armas das pessoas. Acudiram em defesa até as mulheres e rechaçaram os inimigos com algumas mortes e muitos prisioneiros. Juntaram gente de Almeida, Sabugal, Pinhel e de outros lugares.  

9

Notícia de que no dia 13 o Rei foi ver a torre de S. Giam.

10

Notícia de que Miguel Pereira Borralho é nomeado Capitão mor da Fortaleza de Oitam, em Setúbal.

11

Relato de que na segunda sexta-feira da Quaresma veio pela manhã de Rochele o capitão Salvador de Mello da Silva, cavaleiro da Ordem de Cristo, natural da Ilha dos Açores, o qual da Vila de Fraga (onde era capitão de Rei Filipe) entrou de guarda e fugiu para o Castelo de Aitona, com a companhia formada por oficiais, armas, tambores, bandeiras, apesar da cavalaria castelhana ir a seu alcance. Passou por Catalunha e França, até chegar à Rochele, onde agregou sua companhia a outros portugueses que ali estavam, e com eles saiu em cinco naus para o reino. Desembarcou e foi ao paço e o Rei lhe deu uma comenda, na Comarca de Viseu.

12

Notícia de que ainda na segunda sexta-feira da Quaresma foram ver a procissão dos passos de uma janela do Tribunal, o Rei, a Rainha, o Príncipe D. Theodósio e acompanhamento real.

13

Notícia de que no dia 18, o General António de Saldanha saiu em socorro, com a esquadra, para a Ilha Terceira.

14

Notícia da solenidade de aniversário do Rei no dia de São José. A cerimónia iniciou-se na capela real e a tarde o Príncipe D. Theodósio recebeu o sacramento de Crisma do Arcebispo Metropolitano D. Rodrigo da Cunha. Compareceram o Visconde de Vila Nova de Cerveira, Conde Regedor e o Padre Confessor da Rainha. Foi um dia de alegria na Capela Real.  

15

Notícia de que o Conde da Vidigueira, que vai por Embaixador de França, está para sair no primeiro tempo.

16

Notícia de que o Monteiro mór do reino foi para as fronteiras do Alentejo, por general da cavalaria. 

17

Notícia de que Rui de Moura Telles vai por Governador de Mazagão.

18

Notícia de que o Rei manda confiscar os bens do Marquês de Castelo Rodrigo por lhe constar que estava na Alemanha e não a serviço da Coroa. O Conselho da Fazenda decreta confisco aos bens do Conde de Linhares. 

19

Relato de que dizia-se na cidade de Elvas que o inimigo preparava o exército para ir em uma das praças do Alentejo. O General Martim Afonso de Mello manda avisar Manoel da Silva Mascarenhas, capitão mor da Vila de Mourão, advertindo-o que era necessário colher um castelhano para saber dele informações sobre a quantidade de gente e o lugar onde haveria o assalto. No dia 13, o capitão mor enviou nove cavaleiros a Vila de Cheles, que, não achando soldado castelhano, entraram nas trincheiras e mataram três castelhanos. Ao sair, os cavaleiros se depararam com uma tropa de 30 mosqueteiros e se defenderam, matando um deles e salvando-se sem dano.

20

Relato de que o Capitão D. Henrique Henriques e infantaria do Terço do Mestre de Campo D. Francisco de Sousa, depois de ter muito gado tomado pelos inimigos que também fizeram algumas irreverências diante da Igreja de N. Senhora da Coroada, sai em campanha e teve com eles encontros em vários locais até Negrita, onde recuperou o gago, nove portugueses prisioneiros e muitas armas. Foram mortas 39 pessoas e outras fugiram, saindo D. Henriques e infantaria para a Vila de Santo Aleixo.

21

Relato de que no dia 14, António Queirós Mascarenhas, capitão mor de Valadares, sai em campanha com 400 homens divididos em três grupos, marchando para a Galiza. Entraram em Guegoas, Vilar e Benzianes, de onde mataram 20 galegos dos que não fizeram resistência, saqueando os locais. Foram confrontados por 300 castelhanos saídos do Conselho de Intrimio e Vila de Lobeira. Mas o capitão mor deu-lhe duas cargas e os fez retirar com muito dano. Trouxe da batalha armas, roupas, 2000 ovelhas e 100 vacas. De sua infantaria não houve mortes e somente o capitão ficou ferido em sua mão.

 

Novas de fora do Reino

22

Notícia de que o Marechal de La Meilleraye, grão mestre da artilharia, cerca Perpignan com mais de 10 mil infantes e seis mil cavalos.

23

Notícia de que o Rei está em Narbona, de onde dizem que assistirá este Verão para dar calor às guerras do principado de Catalunha.

24

Notícia de que Terragona está sitiada e por nenhuma parte é possível adentrá-la, a não ser por força de armas.

25

Relato de que devido a uma tempestade, perderam-se vinte galés do Rei de Castela, que foram a Colibre levar socorro a Perpignan. Três deram às costas na Tinhas de Provença, uma entrou em Mônaco e foi rendida pelos franceses, outra deu em Liorne, cinco em Saiona e as mais receia que estão perdidas. Não falta quem afirme que o Príncipe de Ória (que era general) foi preso em Paris e que assiste hoje em Bastilha, que é a prisão dos Príncipes em França.

26

Notícia de que Carlos Duque de Lorena está outra vez rebelado e fez-se da parcialidade do Imperador, mas o Rei lhe confiscou tudo o que ele possuía em seus reinos.

27

Notícia de que juntam-se a armada de França do mar Oceano com a do mar Mediterrâneo e galés formando mais de 100 embarcações.

28

Notícia de que Monsieur de Enguien, Monsieur de Espernon e Monsieur de Bresè juntam os exércitos e saem ao encontro de infantes que iam de Argilers e Colibre em socorro a Perpignan. Começa a batalha que durou mais de seis horas até que os castelhanos se retiraram com perda de 1100 homens e morreram alguns oficiais e alta patente dos franceses.

29

Notícia de que o Rei nomeou Coronel da Infantaria o Duque de Anguina, filho do Príncipe do Condè, cunhado do Marquês de Bresè.

30

Notícia do casamento do Duque de Longa Villa, Príncipe de La Sagre (viúvo de uma irmã do Príncipe Conde de Soíson) com Madame de Bourbon, prima do Rei e filha do Príncipe de Condè.

31

Notícia de que o Embaixador da Catalunha, que assistiu nesta corte, está preso em Barcelona.

32

Relato de que Monsieur de La Motta, sendo avisado que os castelhanos que se alojavam em Aragão queriam invadir a Lérida, ou atalhar o passo de Valaguer; e que também os de Tarragona saiam a correr em campanha com 1200 cavalos e cinco mil infantes, a divertirem aos franceses, e que marchavam para Valsse foi a Mont Blanc e, após oito dias, sabendo que os castelhanos estavam fortificados em Valmor e que Monsieur de Xabot (por ordem de Monsieur Terrail Marechal de Camp, governador de três regimentos de infantaria e dois de cavalos) deu neles e os fez retirar com perda de 10 capitões de dragões e muitos soldados veteranos, mandou diante a Monsieur de Condrai, com os regimentos de Boxis Baritaus e Bussy, colocou-se a caminho com todo o exército. Chegando a Villa Longa, onde os castelhanos descansavam, deram num corpo de 500 infantes e 200 cavaleiros, entre eles o Marquês de Inojosa. Outra batalha se travou até que os franceses destruíram a infantaria castelhana. Somente o General e alguns oficiais escaparam. Veio prisioneiro Dom Diogo de Mers, Governador do Regimento do Conde Duque, com quatro oficiais. Os demais morreram. Trouxeram os franceses despojos em que vinham 10 peças de artilharia. Após isso os castelhanos se reuniram perto do rio para vingarem-se. Monsieur de la Motta fez que se retirava e assim que passaram 600 infantes voltou-se para eles e matou 400, fazendo dos demais prisioneiros. Desta batalha morreram 900 castelhanos e vieram prisioneiros 400, entre os quais 50 oficiais. No exército dos franceses morreram 100 homens, alguns monsieurs. Saíram feridos Marechal de Camp, os monsieurs Tertail, Landricour, Bais, Iacci, tenente Tunnis, cavaleiro Sauveuse e Capitão de Caravinas. (O documento suprimi dois nomes em seu original).

33

Notícia da morte do Duque de Pernon, o mais velho dos Príncipes de França, e que com ele privou Luís X e três assessores seus.

34

Relato de que o Conde de Guebrian, capitão general do Rei em Alemanha, passando o Reno no dia 14 de Janeiro, com sete mil homens e cinco peças de campanha por uma ponte de barcas, que se fez em Vusel, acompanhado do Conde de Eberstein foi até Ordinguen, onde foi avisado que Lamboy, general do imperador, estava fortificado em Kenpen com nove mil homens esperando ao general Hazfeld, para formar um exército de 18.000 homens. Travou-se uma batalha morrendo dentro das trincheiras 2.500 homens e no seguimento, mais de 1000. Ficou o Conde da Guebriã senhor da fortificação e da campanha e depois de outros encontros renderam-se os seus coronéis muitas tropas. Tomaram os franceses nesta vitória 120 bandeiras.

35

Notícia de que chegou de Ilha Terceira Jorge Mesquita e trouxe consigo aviso que a fortaleza se havia rendido e estava já pelo Rei. Por ser de grande alegria para o reino a notícia foi inserida na gazeta.

 

 

 

Gazeta do mês de Abril de 1642

N.º de ordem da notícia

Tema

1

Notícia do Conde de La Torre que foi ver as fronteiras do Alentejo a mando do Rei.

2

Notícia de que no dia 2 entrou no porto uma nau que vinha de Vila Nova de Portimão, carregada com figos e passas para a corte, com destino à Nantes. No Cabo de Espichel foram interceptados por piratas que não tomaram a carga e deixaram que seguisse viagem e que em agradecimento queria que D. João IV soubesse que um capitão africano não permitiu que fizessem dano porque eram mercadorias para o Rei.

3

Notícia de que o Tambor mor de Badajós fugiu para Elvas.

4

Notícia de que o Mestre de campo Dom Francisco de Sousa sai com algumas tropas a correr campanha, entra no distrito de Castella e se retira com presas de gado.

5

Notícia de que os portugueses que vieram de Cádis trouxeram informações de que em Andaluzia aumentavam-se os tributos e que Rei Filipe tomou quase toda a prata, que veio registrada na fronte de Nova Espanha e que estava a prender gente para guerras na Catalunha.

6

Notícia de celebração de ato de fé por Domingo Lázaro. Teatro é construído junto ao pé do quarto da Rainha. Morte de três mulheres e três homens. O Rei e a Rainha estiveram na janela do paço, sobre o teatro, grande parte deste dia.

7

Relato de que à nova de Ilha Terceira, referida na Gazeta de Março, chegou no navio do Sol Dourado, dia 8. Houve festa e procissão da Sé à Igreja de Santo António, com missa celebrada pelo Arcebispo de Lisboa. O Rei comeu em público e mandou um prato ao cabo mor Francisco de Ornellas, da Câmara, e ao capitão Jorge de Mesquita, que trouxeram a nova. Após dois dias houve nova procissão e imprimiu-se uma relação na oficina de Domingos LopeRosa.

8

Notícia da saída de alguns oficiais da cavalaria para a fronteira.

9

Notícia da partida do Conde de Vidigueira para a França, como Embaixador.

10

Notícia de que no dia 9 saiu o Rei assistiu a saída do Galeão de S. Bento para a Índia Oriental.

11

Publicou-se um edital para que os castelhanos deixassem o reino e para os que estavam a morar há muito tempo que se naturalizassem.

12

Notícia de que Feliz de Holanda veio de Inglaterra, despachado pelos embaixadores, trouxe aviso ao Rei sobre o estado da embaixada e retornou com a resposta.

13

Notícia de que saíram algumas embarcações com artilharia e de que gente de guerra foi buscar o galeão construído no Porto. Ancoraram em Cascais devido ao mau tempo e depois tornaram a sair.

14

Notícia de que o Rei fez mercê de algumas comendas a vários fidalgos.

15

Notícia de que levantou-se o ouro para que os estrangeiros não o tirassem do reino. Publicou-se que toda pessoa que tivesse ouro o levasse à casa da moeda para ser fundido, de modo que uma moeda de 4 Cruzados valhia 3.000 Reis. Meia moeda, 1.500 e ¼, 750.

16

Tentente Miguel Nunes da Maia saiu de Campo Maior com 30 cavalos e o Capitão Vergas Holandes com 40 com destino a Badajós. De lá prenderam 13 pessoas, 18 cavalgaduras e um Furriel de cavalaria que ia de Vila de Rei a Badajós com cartas para o General D. João de Garai a pedir gente, armas e mantimento que aquela vila necessitava.

17

Notícia de que António Telles da Silva é despachado como vice-rei do Brasil.

18

Notícia de seis portugueses e um natural de Estremós que chegaram a Vila de Campo Maior fugidos do cárcere de Badajós.

19

Notícia do nascimento de uma vitela com duas cabeças, em Trás-os-Montes. O animal sobreviveu pouco tempo. Depois de morto foi-lhe enchido a pele e o Reitor da Universidade de Coimbra o enviou ao Arcebispo de Lisboa, onde ficou e desperta a curiosidade de muitos.

20

Caravela da Ilha Terceira traz aviso da chegada do General António de Saldanha.

21

Notícia de que o Rei permanece na tribuna da Capela Real durante toda a Semana Santa. Na quinta-feira de Endoenças ouviu o ofício e mandou soltar a mãe do Secretário (?) Soares e todos os demais da casa.

22

Notícia de que entre o Douro e o Minha se avisa que os galegos estão passando pouco a pouco para Portugal porque morrem lá de (?) e não podem aturar os tributos.

23

(? – Fotocópia ilegível)

24

Notícia de que no Dia de Nossa Senhora dos Prazeres foi o Rei e toda a Casa Real à sua quinta de Alcântara, onde está ainda.

 

Novas do Reino

25

Notícia de que o Rei tem oficiais de guerra em Narbona e em troços vai para Barcelona.

26

Notícia de que prepara-se uma dieta universal em Maguncia, que assiste plenipotenciários Príncipes de Europa.

27

Notícia do Rei Carlos de Inglaterra, que, desgostoso do Parlamento, saiu com o Príncipe e está na cidade de Yorque, a 20 e tantas léguas de Londres. O Parlamento pediu-lhe o Príncipe e ele não deferiu a petição.

28

Notícia de que a Rainha Henriqueta Maria vai aos banhos de Espanha, junto ao Bispado de Liegi, para curar-se de melancolia por ter algumas moléstias. Veio de Dunes para Holanda uma esquadra de galeões holandeses para a vir acompanhando, esperando-a no Canal e trouxe a Infanta sua filha, que casa com o Príncipe de Orange. Há festas nas províncias e assistem as bodas quatro rainhas: Rainha de Inglaterra e Rainha Mãe, que estava retirada em Colónia, Rainha da Bohemia, irmão do Rei Carlos e Rainha Mãe da Rainha de Suécia.

29

Notícia de que o Conde de Holand, um dos principais senhores de Inglaterra, foi de Londres à Yorque para ver o Rei Carlos. Falou com ele em público e teve com ele uma prática muito larga, o Rei deixou o local antes que ele acabasse de falar, recolhendo-se colérico dizia que o Conde mentia em tudo quanto lhe havia dito.

30

Batalha em Irlanda entre ingleses protestantes e católicos romanos causa muitos danos. Relato de que o Conde de Lesle, General dos Protestantes, entrou na província de Ultonia com 18 mil homens, entre os quais vinham ingleses e escoceses. Saíram a caminho 8 mil holandeses católicos romanos e encontraram-se em campo aberto com tamanha fúria que resultou em 4 mil holandeses mortos e quase todos os protestantes, ficando prisioneiro o Conde de Lesle, depois de se proclamar vitória dos católicos romanos. No Parlamento de Irlanda, os ministros supremos lhe perguntaram com que ordem havia colocado o exército em Ultonia, ao que o Conde respondeu que com ordem do Parlamento de Inglaterra. Foi enforcado em praça pública por conduzir um exército sem a ordem de seu rei.

31

Notícia da morte de cinco católicos romanos, em Londres, quatro deles sacerdotes. A saber dois clérigos e dois frades Bentos.

32

Notícia de que veio de Inglaterra aos mares de Irlanda o General dos galeões do Estado com uma esquadra de 30 baxeis e o seu Almirante o Conde de Nortumberland. Dizem que não traz outro pensamento do que senhorear os portos para que os príncipes católicos não socorram aos irlandeses.

33

Notícia de que com a vitória do exército dos católicos de Irlanda, a cristandade de Ultonia assegurou – e até de Londres se avisa – que não ficou vivo em Irlanda nenhum protestante.

34

Notícia de que Colibre foi entrada pelo exército do Rei de França.

35

Carta do Abade Carleno (embaixador que foi do Duque de Cleves), escrita em Londres no dia 28 de Março de 1642, revela que no Sacro Palácio, aos 13 de Fevereiro, o Santíssimo Padre Urbano disse ao conclave apostólico a feliz aclamação do Rei, que decidiu que o Senhor Bispo de Lamego Embaixador de Portugal fosse recebido como Embaixador. Acabado este acto, por ordem de Sua Santidade, foi monsenhor o Cardeal Barbarino, com grande acompanhamento, visitar o Bispo Embaixador e a preveni-lo para a entrada que se esperava ser grandiosa, da maior alegria e aceitação popular que houve na Curia Romana.

36

Notícia de que o Príncipe de Parma espera concertar seus negócios. Se humilha, pede bênção apostólica e absolvição da excomunhão, declarando o que toca à venda dos bens que possui em Roma.

37

Notícia da Festa da Purificação, realizada na Igreja de Monserrato de Roma. Preveniram os beneficiados castelhanos ao Embaixador de Castella para que assistisse com tanta gente, que não tivesse lugar o de França, dando conta também ao Embaixador de França. O embaixador de França juntou 400 homens portugueses, catalães e franceses com pistolas. Chegou a notícia do Sumo Pontífice e mandou aos embaixadores que não saíssem aquele dia de casa.

38

Notícia de que, em quase todas as praças, estão suspensas as armas por desânimo do Príncipe Thomas e o Cardeal de Saboya, devido aos infortúnios das guerras passadas. O Rei mandou retirar tropas do Piamonte e as aplicou às guerras de Catalunha.

39

Notícia que saíram alguns castelhanos de algumas praças, que em Catalunha estão pelo Rei Filipe. Procuraram descompor o sítio das tropas francesas, que estão sobre Tarragona, mas não as puderam desalojar. Morreu grande número de gente em muitas batalhas. 

40

Notícia de que nas províncias de Flandres os castelhanos pressionam os soldados portugueses e, depois de os tripularem, os alojaram em presídios e se fogem são esquartejados. Nenhum se atreve a fugir.

41

Notícia de que, por estarem destroçadas e com falta de gente, as gales de Espanha não saíram até agora, mas estão se prevenindo em Cádis para irem socorrer Tarragona.

42

Ofício do Rei obrigada que cada um de Andaluzia sustente uns tantos homens para a guerra de Catalunha e sobre isso há controvérsias e temem-se reacções.

43

Notícia de que no dia 28 chegou um navio francês que trouxe novas que a armada Real de França seguia para Tarragona.

44

Notícia de que duas gales do Rei Filipe partiram de Cartagena para Génova com 500 mil cruzados. Padeceram grandes tormentas no Golfo de Leão e chegaram destroçadas.

-

(Artigos do que os católicos confederados em Irlanda pedem ao Rei Carlos de Inglaterra)

45

Pede-se que haja liberdade de consciência e público exercício da religião católica e eclesiástica hierarquia, como os Escoceses têm, de maneira que a inovação e reforma não venha ao reino. Admitem-se religiosos sem heresia além de moderados protestantes de Inglaterra, Alemanha e outras províncias. Que não haja Bispo algum senão católico, que os sacerdotes gozem de benefícios eclesiásticos e rendas como antigamente foi ordenado, e que os ministros protestantes gozem somente dos bispados e benefícios que os da sua seita procurem para sua sustentação.

46

Pede-se que durante o governo temporário, sejam governados pelo vice-rei, conselho e oficiais católicos e naturais, com subordinação de Sua Majestade.

47

Pede-se que as terras e condados dos católicos que foram confiscados por causa da religião, no tempo da Rainha Elizabeth, como depois, que sejam restituídos ou ao menos a valia deles.

48

Pedem que não mandem nem ingleses nem escoceses a povoar o reino, se não forem católicos ou moderados protestantes e que somente as colónias que estão por autoridade pública estabelecidas se permitirão e sofrerão, sem prejuízo para a nação irlandesa.

49

Pede-se que o comércio com a Inglaterra e províncias se continue.

50

Pede-se que o artigo, por segurança, se confirme por Sua Majestade e pelo Parlamento em Irlanda. Que o Parlamento proceda juridicamente conforme o modo e costumes, e protestado os Conselhos de Irlanda, que o Rei Carlos é o Príncipe e governador puramente temporário em Irlanda, Inglaterra e Escócia. Oferecem estar sempre de acordo para fazer o mesmo protesto, com juramento conforme a consciência pessoal e a religião católica, prometendo defender a autoridade real de Sua Majestade sobre o Parlamento, condenando todas as opiniões em contrário. Pede-se o fim das guerras.

 

 

Gazeta do mês de Maio de 1642

N.º de ordem da notícia

Tema

1

Notícia da chegada de algumas naus de França com soldados portugueses, que militavam pelo Rei Dom Filipe nas praças de Catalunha.

2

Notícia do General Martin Afonso de Mello que mandou tropas sobre a Codiceira Villa de Castela, recolhendo os inimigos, saqueando e colocando fogo na maior parte do lugar.

3

Notícia de que estão declarados os Capitães da Armada Real, que sairão no Verão em galeões do Estado.

4

Notícia que no dia 11, benzeram-se as duas fragatas fabricadas na ribeira, com missa do Bispo Capelão Mor, batizando a maior como São João Batista e a menor como São Theodósio, em graça do nome de Sua Majestade e do Príncipe.

5

Notícia de que alistam-se os nobres e os privilegiados nos quatro terços do Príncipe D. Theodósio. Na Vila de Caminha saíram uns pescadores de barco pelo rio Minho, encontrando dois bargantins com infantaria do inimigo. Retornaram e contaram a Rodrigo Pereira de Soto Mayor Alcaide Mor e Capitão Mor de Caminha e de Valadares, que mandou ao Sargento Mor Francisco Pais e outros capitães que fossem até o local para escoltar os pescadores. Investiram contra o inimigo, deram cargas e tomaram dois barcos com alguns galegos. Retiraram-se, deixando o inimigo em terra postos em arma e receosos de algum assalto.

6

Notícia que no dia 14 foi ao mar a fragata São João Batista, obra do Marquês de Montalvão, onde houve muita gente a assistir inclusive o Rei e o Príncipe Theodósio, que chegaram da sua quinta de Alcântara em uma gôndola. 

7

Notícia que fez o Rei mercê a um bisneto do Bandarra de uma capela com que se pode sustentar.

8

Relato de que Dom Nuno Mascarenhas, mestre de campo e capitão mor de Castelo de Vide, e Fernão da Silva, capitão de cavalos, que assistem na Cidade de Portalegre, juntaram alguma gente e marcharam para saquear Santiago, uma aldeia de Castella. Os moradores, como estavam de aviso, fugiram levando o que podiam e escondendo o que não podiam (…) por entre o trigo. A tropa encontrou um senhor de idade que não conseguiu fugir e que pediu que não fosse morto, dizendo onde estavam escondidas as fazendas. Foi recolhido tudo e depois o local foi incendiado.

9

Relato de que na noite de 3 de Maio, duas companhias de cavalo a cargo de Gaspar Pinto Pestana, comissário geral da cavalaria do Alentejo, correram campanha e rodearam a ponte de Badajoz. Avistaram dois batedores de cavalos, que foram alcançados mas que fugiram em grande velocidade para Badajoz, sendo mortos na ponte e tendo os seus pertences retirados. Depois foram ao Forte de São Cristóvão, desmantelando-o e queimando uma casa com soldados e guarnição. Foram ao posto de Sespede, junto à ponte do rio Caia, onde as rondas de Castela se alojavam e encontraram fatos e 20 cavalos, abrasando tudo e retirando-se em seguida.

10

Notícia de que os castelhanos fronteiros da província do Alentejo não saem em campanha por falta de gente e cavalos.

11

Relato pormenorizado de actos de valor na entrada de Enzinasola. O Mestre de Campo Dom Francisco de Sousa se preveniu para entrar em Castela ao mesmo tempo em que Manuel de Mello, Alcaide Mor e capitão mor de Serpa, filho de Luis de Mello, porteiro mor e capitão da guarda Real Portuguesa, foi avisado que o governador das armas tratava de mandar gente a campanha e que Manuel de Mello estava de cama, sangrando, e que apesar das considerações dos médicos, levantou-se e em Abril foi a Santa Luzia a ver-se com o Mestre de Campo Dom Francisco de Sousa dizendo que estava deliberado a sair com a sua gente. No dia seguinte, Manuel de Mello foi a Moura para marchar para Enzinasola. O qual, no dia Primeiro de Maio, saiu de Serpa com 45 cavalos, 600 mosqueteiros e foi se juntar em Moura com o Mestre de Campo. Estavam os esquadrões a marchar quando veio aviso de Manuel da Silva Mascarenhas, capitão mor de Mourão de que como haviam saído muitas tropas de cavalos e infantaria castelhana de Vila Nova, imaginava-se que a intenção era dar em Safara, Santo Aleixo ou Moura. Batedores que tinham ido coroar o campo trouxeram uma espiã inimiga para que dissesse o que se passava e logo o capitão mor Manuel de Mello marchou para Safara. No domingo a noite, dia 4 deste mês, trouxeram os seus soldados dois espiões, um de Enzinasola e outro de Aroche, sabendo deles que o campo estava seguro. Mandou aviso ao Mestre de Campo e na segunda-feira, ao meio dia, juntaram-se no posto do sapatão. Saíram de noite mas detiveram-se assentando o campo logo que amanheceu. Formaram-se batalhões e travaram batalha sangrenta durante sete dias, tendo os castelhanos em batido em retirada, com muitas mortes e prisões. 

12

Notícia de que no dia 23, sexta-feira, o Rei chegou de Alcântara e assistiu no Tribunal da Relação a condenação de morte de três homens que deram testemunhos falsos no crime de Maïestates.

13

Notícia que nos últimos dias de Maio vieram alguns barcos de trigo de Mértola para Alcoutim, pelo rio, encontrando com castelhanos armados. Na ribeira do lado de Portugal estavam dois homens e um moço que casavam e vendo a contenda socorreram aos barcos portugueses, atirando nos castelhanos, que fugiram. Pôde assim vir em paz ao porto os barcos portugueses.

 

Novas de Fora do Reino

14

Notícia de que o General Picolomi, depois de percorrer grande rota e correr fama que tinha morrido em uma batalha, tornou buscar o inimigo e o fez retirar com muito dano até a baixa Saxónia.

15

Notícia de que o exército do Cristianíssimo deu na gente de Lamboi, que escapou da batalha de Chenpe e acabou de a destruir.

16

Por carta escrita no dia 6 de Abril, em Narbona, se avisa da vitória que Monsieur de La Mota de Ancour alcançou do exército do Rei de Castela, junto à vila Franca de Panaderes, no principado da Catalunha.

17

Notícia de que o Rei nomeou a Marechal o Conde de Gebrian, general do exército que venceu a Lamboi, e Monsieur de La Mota de Ancour.

18

Notícia de que o Marquês de Torreclusa ia de socorro à Colibre, mas não pode chegar a tempo porque iam pessoas maltratadas da viagem, por isso perdeu-se a praça.

19

De Dover veio carta de 14 de Abril, na qual se avisa que o Rei Carlos queria ir a Irlanda.

20

Pela Gazeta de Holanda entende-se que o Parlamento de Inglaterra mandou um comissário a dizer aos holandeses que lhe mandassem as condições que pediam ao Rei, e que as despachariam e as firmassem aos seus governadores. Os irlandeses enviaram 13 artigos, com novas condições e a principal, de que o Conde de Corche restituísse aos fidalgos todas as terras que lhes havia usurpado. Estas condições levaram ao Parlamento Montgaret Delvin, Dunlyps, Lymbre, Onel e outros titulares.

21

Notícia de que a cidade de Dublin (principal de Irlanda e que até o momento não seguiu à parcialidade dos católicos) diz à Gazeta de Londres que os irlandeses a têm cercado com 50 mil homens e que devido às más condições comem até os cavalos, e os católicos, que há nela a vista dos protestantes, que a governam, pregam Deus em público e pelo sucesso dos irlandeses.

22

Notícia de que Sua Santidade escreveu aos príncipes católicos para que socorressem as províncias de Irlanda e mandou Félix Onel (que foi general no levantamento) um estandarte na qual há uma divisa que declara que a guerra dos irlandeses é em defesa da fé católica romana e da Cátedra de São Pedro. Também mandou um presente com indulgência para todos os que ajudassem e favorecessem o reino, assegurando que nunca lhe faltaria o favor da Igreja.

23

De Holanda e de outras partes se avisa que o Rei de Dinamarca emprestou 50 galeões para socorrer o Rei de Inglaterra ou para outros efeitos políticos.

24

Notícia de que para se tomar assento nas decisões que há entre puritanos e protestantes ordenou-se que por votos se averiguasse quais da seitas se havia de seguir. A dos protestantes tiveram 126 votos e a dos puritanos menos 5, e o Conselho se confundiu de maneira que não se resolveu.

25

Publicou-se um edital que nenhum bispo, mesmo que fosse protestante, tivesse voto no Parlamento e agora ficavam presos. Vieram a juízo parte deles e não se sabe ainda a sentença.

26

Notícia de que o Parlamento mandou embaixadores ao Rei, aos quais disseram que aquele povo estava triste porque Sua Majestade não voltava a Londres. O Rei respondeu que cada povo colocasse a mão na consciência e que logo seria fácil conhecer a razão porque não voltava.

 

 

 

Gazeta do mês de Junho de 1642

N.º de ordem da notícia

Tema

1

Notícia da chegada de uma nau de Rochele ao porto de Lisboa, em que vieram portugueses de Itália e da Catalunha.

2

Relato de batalha entre portugueses e castelhanos. Na Vila de Penamacor saiu para Almeida o general Fernão Telles de Menezes, que recebeu aviso de que o inimigo pretendia entrar naquela região. No dia 28 de Maio saíram de Aldeia do Bispo (vila de Castela, a meia légua de Almeida) tropas da infantaria e de cavalos e correram campo junto ao Val de La Mula, fazendo presa ao gado que pastava além dos muros. O Tenente General da cavalaria, João Saldanha de Sousa saiu com tropas e foi a Val de La Mula. Os castelhanos estavam num monte perto de Aldeia do Bispo, do outro lado do rio. João Saldanha passou o rio e foram em seu socorro 60 cavaleiros e os capitães Rui Tavares de Brito, Cristóvão de Sá de Mendonça e Cristóvão da Fonseca Cardoso. Chegaram ao posto onde veio a cavalaria castelhana e travou-se batalha. Morreram Monsieur de Mongrol, Alferes do Coronel Sebastião de Mahè, António da Fonseca, ajudante de cavalaria, Francisco Valente da Costa, capitão de infantaria e Nicolau de Paiva de Albuquerque, alferes do tenente general. O Tenente General pediu licença ao Tenente General Fernão Telles de Menezes para invadir a vila de Aldeia do Bispo, mas teve recusa porque havia grande risco por terem pouca gente e porque ele mesmo queria ir até lá. No dia 29 saiu de Almeida à 1 hora da manhã levando a cavalaria e com ele o Capitão da Guarda Dom Lourenço de Sousa. Foram em sua companhia os Capitães Rui Taveira de Brito, António de Carvalho de Vasconcelos e Diogo Ribeiro Homem. Seguia-se o Capitão Puplinier, a quem o Tenente General entregou uma tropa de cavalos, com sete ou oito oficiais franceses, indo na retaguarda da cavalaria o Capitão Cristóvão da Fonseca Cardoso e sua companhia. O Mestre de Campo D. Sancho Manoel levava a vanguarda da infantaria, acompanhado pelos Capitães Nuno da Cunha de Ataíde, Duarte de Miranda Henriques, Alonso de Tovar, António de Andrade de Gamboa, Francisco Valente da Costa, Manuel Teixeira Homem. Marchava o Genereal Fernão Telles de Menezes a quem dava guarda o Capitão Cristóvão de Sá de Mendonça com sua companhia de cavalos, indo na retaguarda o Sargento Mor Lourenço da Costa Mimoso. Chegaram à vista da Aldeia do Bispo pela madrugada, cercaram a vila e travou-se batalha com o inimigo. Morreu com um tiro na testa o Capitão Alonso de Tovar e foram mortos muitos castelhanos, sendo 90 feitos prisioneiros. Os portugueses venceram a batalha, saquearam o local e colocaram fogo na maior parte.

3

Notícia de que o Monteiro Mor General da Cavalaria das fronteiras do Alentejo saiu de Elvas no dia 2, com 11 companhias de cavalos, e foi para Olivença, onde chegou por volta das 16 horas. Correu campanha durante a noite e ocupou os campos da vila de Alconchel, ficando de emboscada para pegar o gado que os pastores levavam para pastar pela manhã. Levou o gado para Olivença, sem muita resistência, e os moradores fugiram para o castelo disparando e matando um capitão, ferindo quatro holandeses. Os portugueses saquearam as casas, levando 8 mil cabeças entre ovelhas, porcos e vacas e cavalgaduras (estimado em 25 mil Cruzados), deixando muitos inimigos mortos e feridos. Do que foi apreendido se tirou o quinto de Sua Majestade e o restante foi dividido entre os soldados, ficando alguns muito ricos.

4

Notícia de que no mesmo dia em que o Monteiro Mor deu na vila de Alconchel, saiu de Campo Maior o Mestre de Campo Aires de Saldanha com alguma gente do seu terço, e foi marchando até Badajoz. As pessoas fugiram com medo. Foi feito muitos danos ao local e morto um fidalgo.

5

Notícia que, na Véspera do Espírito Santo, alguns castelhanos foram a Elvas e, com bandeira branca, disseram ao Capitão português que trazia 20 portugueses de Badajoz, com passaporte. O capitão os recebeu e consta que vieram duas mulheres portuguesas conhecidas, que estavam em Badajoz para assistir um dos cabos. Retiraram-se os castelhanos e os portugueses voltaram à Elvas.

6

Notícia de que chegou por via do Algarve um comissário mouro do Rei de Marrocos, enviado a fim de que lhe permitissem mandar seus embaixadores ao Rei. Entrou na corte no dia 22.

7

Notícia de que no dia de Santo António publicou-se as pazes entre Sua Majestade e o Rei de Inglaterra e Irlanda, Carlos I.

8

Notícia de que na quinta-feira de Corpus Christi o Rei chegou de Alcântara e acompanhou a procissão da cidade.

9

Notícia de que Francisco Luís de Vasconcelos está despachado por Governador e Capitão General da Ilha de São Miguel, e seu irmão Joane Mendes de Vasconcelos, por conselheiro de guerra.

10

Notícia de que castelhano interceptado por portugueses revela estratégia de inimigo. O Marquês de Valparaíso, que está nas fronteiras do Reino de Galiza, foi visto de Valadares marchando com muitos soldados. O Capitão Mor António de Queirós Mascarenhas, querendo saber a estratégia do Marquês fez uma emboscada e capturou um criado de D. Fradique de Valadares, Mestre de Campo Galego, que revelou que o Marquês se dirigia para Alharis, onde faz praça de armas e que levava três carros de moeda para socorro das tropas. Neste mesmo dia, o Capitão Mór fez uma preza debaixo das sentinelas do inimigo.

11

Notícia de que no dia 13 entrou em Castela o Mestre de Campo D. Sancho Manoel, deixando os Capitães Manoel Teixeira Homem e João Fialho com suas companhias numa emboscada para que assaltassem a cavalaria do inimigo e ao romper de Alva, a cavalaria castelhana rendeu um ajudante português, matou um soldado e levou quatro prisioneiros. Os portugueses que estavam de emboscada deram carga no inimigo, matando o Alferes que governava a tropa e mais dois cavaleiros. De noite, o Mestre de Campo entrou na Ciudad de Rodrigo, prendendo 12 cavaleiros castelhanos e dois clérigos, um beneficiado e outro tesoureiro da Sé, e depois disso arrasou Almeida, tomando grande quantidade de gado, levado para Barquilho. Veio o inimigo com infantaria e cavalaria para reaver o gado, mas o General Fernão Telles de Menezes acudiu e os castelhanos se retiraram.

 

Novas de Fora do Reino

12

O Conde de Vidigueira, embaixador ordinário de Sua Majestade, escreveu de Rochele que estava a caminho para Perpignan, onde o Rei assistia com grande exército.

13

Notícia de que entrou uma nau de Inglaterra com fidalgos portugueses que estavam em Madrid antes da aclamação do Rei, os quais são Dom Manuel de Castro, Álvaro de Sousa, D. Francisco de Azevedo de Ataíde e Jerónimo da Silva, cavaleiro do hábito de Santiago. Foram a Flandres despachados pelo Rei de Castela com grandes mercês. Vieram a serviço trazendo em sua companhia o Alferes D. Pedro Garcia de Avis, Fulgêncio de Matos Galvão e Manuel Roxo com alguns soldados. Retiraram-se de Flandres e foram para Inglaterra e desde lá a este reino foram recebidos pela Sua Majestade com muitas honras.

14

Notícia de que os fidalgos portugueses D. Francisco Mascarenhas, D. João de Menezes e Álvaro de Carvalho estão presos em Madrid por quererem vir a Portugal.

15

Notícia de que veio de Goa à Ilha Terceira uma naveta e outra de Onor à Ilha de São Miguel. Dão algumas novas da Índia as quais dizem que em todas aquelas praças ficava aclamado o Rei.

16

Notícia de que Dom Álvaro de Bivero, Mestre de Campo Castelhando, e Governador de Fortaleza S. Felipe Monte do Brasil da Ilha Terceira, foi para Castela em uma nau inglesa – que saiu deste porto a buscar o Conde de Vila Franca, em companhia do General António de Saldanha – e com ele foram castelhanos rendidos e muitos ficaram em terra a servir o Rei.

17

Notícia de que o Rei de Castela foi para o Reino de Aragão, obrigado da guerra que lhe faz o Cristianíssimo.

18

Relato de que no assalto de Alconchel se achou uma algibeira de um castelhano prisioneiro uma carta, que de Segovia escreveu um amigo a outro, que vive em Albuquerque e diz nela que se admira a ousadia com que os portugueses entram pelas fronteiras de Castela, fazendo presas de grande estimação e fortificando-se cada vez mais. Diz também que o filho bastardo do Conde Duque está aposentado no Bom Retiro, com grande aparato, que o Duque de Medina Sidonia está em Montanches e o Marquês de Aiamonte, em S. Torcas, que por lá se diz que em Portugal valem todas as coisas por excessivo preço e que o mesmo é em Castela, principalmente a prata que corre a 100%. Que Perpignan se socorreu. Que em Barcelona e Lerida fez o exército de castelo algum dano e discorre largamente sobre o aperto de Castela que tudo são lástimas, prantos, queixas, desgraças, roubos de fazenda, que ninguém tem a sua segura, e que agora se manda que todos os ricos comprem em prata e que dobre os censos sobre as rendas Reais.

19

Notícia de que Feliz Onel, General dos Irlandeses católicos, está com 50 mil homens sobre a cidade de Dublin.

20

Notícia de um livro que saiu no mês de Abril, impresso em Londres a mando do Parlamento, “Demonstração dos acontecimentos admiráveis, que sucederam em Irlanda”, do Doutor Henrique Joanes, no qual estão testemunhos de uma inquirição, que se fez por decreto do Parlamento, em que declaravam debaixo de juramento os ingleses que fugiram de Irlanda e que morreram naquelas guerras, com dano de 5 milhões. No livro é referido que das 500 partes dos ingleses (cujas fazendas se destruíram) não jurou mais que uma porque de 30 e dois condados, de que constam as cinco províncias, e meia de Irlanda, somente de 16 foram alguns ingleses jurar a inquirição. Há no livro muitas coisas das quais as maiores são as seguintes.

21

Notícia de que na província de Ultonia haviam os irlandeses promulgado uma lei que todo o homem que falasse inglês fosse condenado em 20 Reales.

22

Notícia de que Frei Roque de Avis, Frade de S. Domingos, que esteve nesta cidade o ano de 18 e agora é bispo de Keldar, quando tomou posse de seu bispado, querendo sagrar uma igreja mandou desenterrar os ossos de uns bispos protestantes e de outras feitas que estavam enterradas.

23

Notícia de que Edmundo Orely, fidalgo irlandês, matou em sua própria casa um bispo de Quilmor Protestante, a sua mulher e dois filhos e que logo mandou chamar o Bispo Católico Eugénio Macsuyne e o colocou de posse do paço e de toda a fazenda do bispo morto. 

24

Notícia de que os católicos irlandeses queimam todos os livros dos ingleses tocantes à religião.

25

Notícia de que duas mulheres irlandesas católicas encontraram num campo um protestante, que seguia com um passaporte e lhe tiraram a vida e que, presas por delito, confessaram o crime cometido em consequência de que em Dublin os ingleses protestantes tiraram a vida ao seu senhor.

26

Notícia que um clérigo irlandês converteu 50 ingleses e que depois que fizeram protestação da Fé, jurando reconhecer por cabeça da igreja o Sumo Pontífice, receberam passaporte e puderam seguir livremente mas foram mortos por um soldado que os seguia, dizendo que era uma lástima os deixarem ir e os queria mandar para o céu.

27

Notícia aue os irlandeses têm no mar 50 naus de guerra com muita infantaria.

28

Notícia que no Convento de Nossa Senhora de Montefarnan juntaram-se os prelados, irlandeses e que fizeram conselho de como tratariam os protestantes que deitavam fora do reino. Resolveu-se que lhes fizessem boa passagem mas não com muita larguesa. E outras coisas como tudo o que o Parlamento de Inglaterra mandou imprimir para que se divulgasse pelo mundo.

 

 

 

Gazeta do mês de Julho de 1642

N.º de ordem da notícia

Tema

1

Notícia de que no início deste mês se escreveu da Província do Alentejo que no dia de São João vieram os inimigos a Olivença e que os portugueses os fizeram retirar com morte de muita gente.

2

Notícia de que António Telles da Silva foi governar o estado do Brasil.

3

Notícia que veio o Rei da sua quinta de Alcântara com toda a casa real.

4

Notícia que na Província do Alentejo saiu o Monteiro Mor General da cavalaria a correr campanha em Chelas, que é de 300 vizinhos. Investiu as trincheiras, acudiu o inimigo à defesa e houve danos para ambas as partes. Em uma das casas do senhor daquele lugar mataram seis portugueses com torneiras. O Monteiro Mor mandou atear fogo em todas as casas. Vieram em socorro da vila de Alcochel os portugueses e tomaram outro caminho.

5

Notícia de que foram achados dois falsificadores de moedas nas pedreiras de Alcântara. Foram condenados pelo tribunal do Santo Ofício, um deles padecendo no mesmo dia em que o Rei veio de Alcântara e o outro na cadeia pública, doze dias após receber a sentença de prisão.

6

Notícia de que quiseram mandar para a corte o galeão Bom Jesus de Portugal, que foi construído no Porto, com a infantaria que foi para sua guarnição. Devido a falta de maré e de vento, o galeão teve que regressar ao Porto. Dias depois saiu em uma oportuna ocasião, chegando a corte no dia 17.

7

Notícia de três tropas da cavalaria castelhana, que foram a vila de Campo Maior sem ser vistos pelos sentinelas portugueses, e correram todo o distrito, matando 18 segadores e ferindo outros tantos que morreram e dizem que nenhum escapará. Os inimigos foram vistos pelos frades do Convento de São Francisco. Saiu Aires de Saldanha com a maior parte de seu terço e algumas tropas de cavalo, alcançando o inimigo e o fez retirar, matando oito homens e ferindo muitos. Recolheu-se e trouxe alguns cavalos.

8

Notícia de que veio de Cádis um barco com alguns portugueses com moléstias por razão que os castelhanos apertam com os que fogem.

9

Notícia de que chegou ao porto de Lisboa um pataxo do Pará (terra do Maranhão de onde não houve até agora assalto algum), com alguns portugueses que vêm pedir armas e pólvora e dizem que naquele sítio estão os portugueses, cerca de 200, unidos com o gentio da terra e que não há por aquelas partes poder que os descomponham. 

10

Notícia de que numa aldeia que está entre Alcotin e Castro Marinho vieram cinco barcos castelhanos e saquearam uma ermida de Santo António, sem deixarem os sinos, nem as portas, queimando algumas choças, levando a imagem do Santo com grande festa. A notícia chegou a Dom Francisco de Castelo Branco, que estava em Castro Marinho, e mandou alguns mosqueteiros em barcos os quais saíram ao rio e tomaram três barcos de Aiamonte e dois de São Lucas de Guadiana, com a gente que havia nele.

11

Notícia de que entrou na corte a Duquesa de Aveiro e está aposentada numa quinta além de Enxobregas.

12

Notícia de troca de prisioneiros. Vieram dois clérigos de Badajoz com alguns portugueses prisioneiros para trocá-los por outros castelhanos.

13

Notícia de que foi para as fronteiras do Alentejo o Mestre de Campo Dom João da Costa.

14

Notícia de que o General Fernão Teles de Menezes marchou com 1.500 infantes, 50 cavalos e duas peças de campanha a um lugar de Castela, que se chama Fuentes. Um francês que descobriu que ali tinha emboscada do inimigo, indicou outro caminho para que chegassem seguros até Fuentes. Em Fuentes houve batalha. Foram mortos 35 homens, cinco foram presos e ainda trouxeram cavalos e outros despojos. Três portugueses ficaram feridos.

15

Notícia de que António Machado da França, Tenente do Capitão de Cavalos, Dom Rodrigo de Castro entrou com algumas tropas em Telena e viu que estava despovoada, seguindo para Badajoz. Numa defesa achou trabalhadores, que estavam a fazer lenha com alguns soldados de escolta e deu de improviso neles. Matou mais de 40, trazendo 10 prisioneiros e alguns despojos.

16

Notícia de que vieram 600 castelhanos a Vilar Formoso para impedir os portugueses de cegar o trigo. Deu sobre eles o Mestre de Campo Dom Sancho Manuel e os fez retirar, matando mais de 20 homens e trazendo 10 prisioneiros.

17

Relato de que andavam 20 cavaleiros portugueses de ronda nos campos de Olivença sendo colhidos por uma emboscada da cavalaria de Badajoz e somente um deles escapou de ser prisioneiro, que veio dar aviso ao General da Cavalaria o qual montou com pressa e seguido de 300 cavalos foi fazer uma emboscada entre Badajoz e Valverde, onde iriam passar. Deu-lhes e livrou os portugueses prisioneiros, matando a maior parte dos inimigos, tomando-lhes as armas e os cavalos, seguindo para Badajoz. Chegou à vista dos muros e os portugueses disseram injúrias aos castelhanos rogando que viessem a escaramuça e como ninguém saiu, tomaram o gado todo que acharam pelo caminho.

18

Notícia de que soldados cavaram as trincheiras da vila de Penamacor e descobriram uma mina e sem saber que metal era enviaram amostras à Corte, que após fazer o ensaio achou-se que era de cobre de boa qualidade.

19

Notícia de que o comissário da cavalaria do Alentejo, Gaspar Pinto Pestana, foi a Figueiro de Bargas (região de Castela) e matou mais de 60 homens, tomando grande quantidade de gado quando deparou com o inimigo. Travaram batalha e colocaram fogo ao trigo e que por estar a ventar fez tanto fumo que espantaram os cavalos dos inimigos, os fazendo retirar.  O incêndio lavrou muitas léguas por Castela e era visto de algumas partes do Alentejo. Neste encontro morreram muitos inimigos e três ou quatro portugueses.

20

Notícia de que, querendo uns lavradores de Almeida ir cegar os seus trigos à raia, os castelhanos armaram uma emboscada para capturar os portugueses. Os portugueses souberam disso e investiram contra os castelhanos, matando muitos e trazendo 60 prisioneiros.

21

Escandalizado com a impiedade com que foram mortos os segadores de Campo Maior pelos castelhanos, o Comissário da cavalaria Gaspar Pinto Pestana vingou o agravo em todas as ocasiões, soltando a rédea a fúria em dano dos contrários, enviando ao Governador das Armas de Badajoz uma carta para troca de prisioneiros, reforçando a impiedade que ocorreu em Campo Maior, avisando que se não parassem com aquilo iria refrescar os “guertos de guadarrama”.

 

Novas de Fora do Reino

22

Notícia de que o Duque de Medina Sidonia está em Andaluzia e sua chegada foi festejada pelo povo.

23

Notícia de que o General da Armada de Irlanda, Dom Malachias Odiscoil, anda com 50 naus no mar da Província de Mononia, a mais próxima da fronteira de Inglaterra.

24

Notícia de que um exército da Escócia, por ordem do Parlamento Real, cercou a fortaleza de Carig Aris. Acudiu a infantaria que estava de guarnição, com grande valor. Houve danos de parte a parte e levantou-se o cerco.

25

Notícia de que saiu de Inglaterra uma armada de 30 naus, 15 do Estado e 15 particulares. Colocou gente no cabo da Província de Conacia, que não tinha muitos irlandeses, desembarcaram os ingleses, defenderam-se os da província e devido as más condições do local, a armada retornou com danos e se fizeram à vela, deitando mais pessoas em Galuca, há 20 léguas de onde saíram, mas houve tanta batalha que morreram dois mil irlandeses e mais de três mil ingleses.

26

Notícia de que o grão Turco tem no porto de Argel mais de 70 velas entre naus e gales.

27

Notícia de que no molhe de Dunquerque estão algumas fragatas para irem unir-se com a armada de Castela, porém o General Men hier Tromp e o vice-almirante Men hier Vuiten Vuitens andam com 33 velas do Estado de Holanda cruzando o canal para lhe impedirem a saída.

28

Notícia de que o Conde de Vidigueira, embaixador do Rei Dom João IV de Portugal no Reino de França, chegou a Narbona e mandou aviso de sua chegada ao Cristianíssimo, que estava em Perpignan, há pouco mais de 10 mil léguas dali. Sua Majestade Cristianíssima o mandou visitar pelo seu capitão de guarda, com ordem para que se passasse a Bisiers e que esperasse ali até que ele viesse da corte de Paris, em breve. Chegando a Bisiers, o Conde foi visitado por muitos Monsieurs e embaixadores, e assistido do Cardeal Masserino e Nuncio de França.

29

Notícia de que o Marechal de La Mothe vai entrando pelo Reino de Aragão e tem já tomado a cidade de Monson.

30

Notícia de que as dificuldades em Tarragona faz com que os soldados não ganhem mais, por dia, do que 20 pedaços de pão e quatro de cavalo.

31

Notícia de que em Cartagena estão 12 gales de Castela e em Vinerós seis fragatas de Dunquerquer e não ousam sair por amor da armada do Cristianíssimo.

32

Notícia de que o Marquês de Leganez e o de Oropreza estão na praça de Vinerós.

33

Notícia de que Jorge de Sousa da Costa (gentil homem do Conde de Vidigueira, embaixador do Rei no Reino de França) no dia 4 de Junho de 1642, por ordem do Conde foi a São German, acompanhado do capitão da Vila Real, e ofereceu um presente à Rainha Cristianíssima, que fez-lhes grandes honras e deu a cada um deles uma cadea de ouro com a sua medalha. 

34

Notícia da morte da Condessa de São Pol, deixando para obras pias 50 mil escudos.

35

Notícia de que houve uma conjuração contra o Cardeal Rocheleu, porém o Marechal de Xomberd a descobriu e muitos já estão presos.

36

Notícia de que, querendo Sua Eminência curar de suas enfermidades, mandou uma carta ao Cristianíssimo uma carta (que segue) que fosse onde fosse por ordem médica, que cuidasse de seus filhos e de sua casa pois os amava muito.

37

Notícia de que o General Stal-hans (um dos principais militantes da Rainha de Suécia) passou o rio Oder com um exército de oito esquadrões da cavalaria e dois mil mosqueteiros, indo para Fristerel, que o guarneceu. Passou de volta pelo rio e pelas cidades de Bunzel e Lemberg sem fazer dano.

38

Notícia de que em Bressão, cabeça da província de Silesia, está alojado um exército imperial com 10 mil cavalos e quatro mil infantes a espera de uns regimentos novos que virão da Província de Misnia. Todo este poder se junta para impedir os progressos que, da outra parte do rio Oder, faz o exército da Rainha de Suécia, que está sobre as cidades de Gura e Henestad.

39

Notícia do Duque Francisco de Saxonia Lavenburg, que saiu de Viena com 300 mil cruzados para levantar gente de Silesia contra Torteson, general sueco.

40

Notícia de que o eleitor de Brandemburg celebrou neutralidade por dois anos com a Rainha da Suécia.

41

Notícia de que o General Stal-hans tomou a cidade de Gubra.

42

Notícia de que os suecos mataram Schurten, capitão de cavalos do exército imperial.

43

Notícia de que a cidade de Luchão se rendeu a partido de armas e bagagem.

44

Notícia de que tomou um exército da Rainha de Suécia a cidade de Grosgolão. No dia da entrada pegou fogo grande quantidade de pólvora que estava dentro de uma igreja e queimou mais coisas do distrito.

45

Notícia de que o Marechal de Guebrian, que estava em Lechenic, levantou o cerco pondo fogo na casas e em grande parte do castelo e logo foi fazer forte junto ao rio Erst, onde tem comodidade para viveres e para a artilharia. Veio a Colónia o General Asfeld com 18 mil imperiais e assentou o exército junto a Preul, sobre o rio Rhin e houve grande batalha.

46

Notícia de que o Marquês de Bresé com ambas as armadas de levante, com 66 navios e 24 gales, saiu ao encontro da armada Real de Castela, que ia socorrer as praças cercadas na Catalunha. Pelejaram duas vezes em dois dias. Retirou-se a armada de Castela para as ilhas de Maiorca e perderam cinco baxeis (um dos quais era o galeão S. Domingos) e três naus de fogo com três mil infantes mortos. As armadas de França perderam uma nau, de que era capitão o Comendador de Conge.

 

 ______________________________________________________________________________________________________________

O projecto de A Génese do Jornalismo. Jornais Periódicos do Século XVII em Portugal e na Europa é realizado com o apoio financeiro da Fundação para a Ciência e a Tecnologia, através de fundos estruturais da União Europeia, designadamente do FEDER, e de fundos nacionais do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.

 
          

      
Ċ
Jornais UFP,
23 de jun de 2010 16:28