05. Cronologia 1641 - 1647

Cronologia 1641-1647


Cronologia portuguesa

1641

· Cortes de Lisboa.

· Concessão de liberdade de comércio aos holandeses nos portos portugueses.

· O Padre António Vieira chega do Brasil acompanhado do filho do governador, garantindo a D. João IV o apoio da colónia.

· D. Francisco Manuel de Melo chega de Londres e apoia D. João IV. O novo Soberano de Portugal encarrega-o de ir à Holanda recrutar 44 navios de guerra com auxiliares holandeses.

· Conjura contra D. João IV resulta na execução do Duque de Caminha e do Conde de Armamar, entre outros.

· Desvalorização da moeda. Criação do imposto da décima.

· Celebração de tratados de paz e aliança com a França, as Províncias Unidas (tréguas por dez anos) e a Suécia. Os tratados de paz não impedem, porém, que a Holanda conquiste aos portugueses Sergipe e Maranhão, no Brasil; a ilha atlântico-africana de São Tomé; Luanda, em Angola; e Malaca, no Extremo Oriente (o que dá à Holanda o controlo do comércio com a Índia).

· Ataques espanhóis a Olivença e Elvas. Batalha de Elvas.

· Em Novembro, começa a publicação da Gazeta “da Restauração”.

 

1642

· Cortes de Lisboa.

· Nova desvalorização da moeda.

·Criação do Conselho Ultramarino.

· Abolidos os monopólios reais nas Índias e na Guiné, com excepção da canela.

· Os holandeses conquistam Acém aos portugueses.

· Tratado de aliança e comércio entre Portugal e a Inglaterra.

· Lei sobre a imprensa.

 

1643

· Nova desvalorização da moeda.

· Instituição das secretarias de Estado e do cargo de secretário de Estado.

· Execução do secretário de Estado, Francisco de Lucena.

· Revalidação das Ordenações Filipinas.

· Salvador Correia de Sá nomeado almirante das frotas do Brasil.

· Criação do Tribunal da Junta dos Três Estados.

· Criação da Casa das Rainhas de Portugal.

 

 

1644

· D. António Luís Meneses de Cantanhede, primeiro Marquês de Marialva, é nomeado capitão-general do exército no Alentejo.

· Batalha do Montijo (Espanha) termina com a derrota do exército espanhol às mãos dos portugueses ou, para alguns historiadores, com um “empate” inconclusivo.

· Cerco de Elvas.

· Portugueses e nativos insurgem-se contra os holandeses no Brasil, nos territórios ocupados pela Companhia Holandesa das Índias Ocidentais.

· D. Francisco Manuel de Melo é preso sob a acusação de conivência num assassinato.

 

1645

· Cortes de Lisboa.

· Insurreição contra os holandeses em Pernambuco, Brasil. Batalha de Tabocas ganha pelos insurrectos portugueses, negros e nativos.

 

1646

· Cortes de Lisboa.

· Nossa Senhora da Conceição é proclamada padroeira de Portugal.

· Desvalorização da moeda.

· O exército espanhol ocupa Olivença, que ainda hoje é território espanhol.

· Portugueses perdem batalhas em Vila Viçosa e Telena, mas sem consequências de maior.

· O Padre António Vieira parte para Paris e Haia.

· Nova conjura para matar D. João IV, instigada por Filipe IV.

 

1647

· Frustrada tentativa de regicídio contra D. João IV.

· Criação da Aula de Fortificações e Arquitectura Militar, na Ribeira das Naus.

· Concessão de privilégios especiais a mercadores ingleses em Portugal.

 

 

Cronologia internacional

 

1641

· O Parlamento inglês aprova uma lei segundo a qual a sua convocação deixa de estar dependente do Rei.

· Prisão e execução do principal conselheiro e ministro do Rei Carlos I de Inglaterra, Lorde Strafford.

· Massacre de 30 mil ingleses protestantes na Irlanda provoca o boato de que o Rei Carlos I e a sua mulher, católica, eram cúmplices no massacre. Aumentou o ódio aos católicos, cuja causa era crescentemente identificada com a causa do Rei, enquanto a causa dos protestantes, maioritários em Inglaterra, era crescentemente identificada com a causa do Parlamento.

· França invade e ocupa a Alsácia.

· Tratado entre a Suécia e o estado de Brandemburgo, embrião da futura Prússia.

 

1642

· A 4 de Janeiro, Carlos I de Inglaterra dirige-se ao Parlamento para prender cinco deputados, que se refugiam no edifício do Conselho Municipal, entre os quais John Pym, que viria a ser o líder inicial da revolta parlamentar. No dia seguinte, o Conselho Municipal recusa-se a entregar os parlamentares ao Rei. A 10 de Janeiro o Rei e a Corte abandonam Londres e dirigem-se a Oxford, onde Carlos I funda um Parlamento (o Parlamento Misto) e organiza um exército. O Parlamento auto-declara a sua indissolução e também recruta um exército. No Verão, começa a guerra civil. O exército parlamentar impede o exército real de avançar sobre Londres.

· O exército sueco, liderado por Lennart Tortensson, coligado com o exército contra-imperial dos príncipes e eleitores protestantes dos estados alemães do Sacro-Império, vence o exército do Imperador Fernando III, coligado com tropas espanholas.

· Morte do cardeal Richelieu, em França. Sucede-lhe o cardeal Mazarino como principal governante do país.

 

1643

· O líder do Parlamento inglês, John Pym, assina um tratado de assistência com os escoceses.

· O exército parlamentar inglês vence várias pequenas batalhas contra o exército real, mas este toma Bristol, ficando na posse da maioria de Inglaterra. O exército parlamentar é confinado ao Sudeste de Inglaterra, mas o Parlamento controla a capital.

· Morte do Rei de França, Luís XIII. Sucede-lhe o seu filho Luís IV, mas a Rainha Ana de Áustria assume a regência, tendo o cardeal Mazarino por primeiro-ministro.

· O general francês Condé vence os espanhóis, comandados por D. Francisco de Melo, na batalha de Rocroi, no nordeste de França. Os franceses ocupam a Flandres e Henan.

· O exército do Imperador Fernando III, maioritariamente formado por austríacos e bávaros, vence um exército francês em Tuttlingen (na actual Alemanha).

· Guerra entre a Dinamarca e a Suécia. Os suecos, comandados por Lennart Torstensson, invadem a Jutlândia.

· Morte de Luís XIII, em França. Sucede-lhe o seu filho de 5 anos, Luís XIV.

· As colónias inglesas na América do Norte, embrião dos Estados Unidos, formam a Confederação da Nova Inglaterra para defesa.

 

1644

· Os escoceses invadem o norte de Inglaterra, em benefício do exército parlamentar.

· O general Fairfax, líder do exército parlamentar, vence um exército real composto essencialmente por realistas irlandeses em Nantwich e toma York.

· Batalha de Marston Moor termina com a derrota do exército real inglês. Do lado das forças parlamentares distingue-se Oliver Cromwell, um puritano que comanda a cavalaria.

· Carlos I de Inglaterra vence a batalha da Cornualha contra o exército parlamentar.

· Os exércitos franceses de Condé e de Turenne batem um exército bávaro em Freiburg im Breisgau, em Junho. O exército francês, liderado pelo Visconde de Turenne, invade a Renânia.

· Na china, a dinastia Ch’ing substitui a dinastia Ming.

· Cristina é coroada Rainha da Suécia ao atingir a maioridade (18 anos).

 

1645

· O Marquês de Montrose tenta sublevar os clãs escoceses em favor de Carlos I, mas as suas forças são derrotadas por um exército parlamentar chefiado por David Leslie.

· O arcebispo Laud, um dos principais conselheiros de Carlos I, preso desde 1641 na Torre de Londres, é executado.

· Batalha de Naseby termina com a derrota do exército real inglês às mãos dos exércitos parlamentares.

· A Suécia, com um exército comandado por Lennart Torstensson, invade a Saxónia, forçando o eleitor desse estado a celebrar um tratado.

· Forças suecas batem o exército imperial de Fernando III na Boémia e tomam a Morávia.

· Tratado de paz entre a Dinamarca e a Suécia.

· Os turcos otomanos declaram guerra à República de Veneza.

· Derrota do general francês Turenne na batalha de Marienthal.

· O general francês Condé vence a batalha de Nördlingen contra o exército imperial e tropas espanholas.

· O czar russo Miguel Romanov morre, sendo sucedido pelo seu filho Alexis, de 16 anos.

 

1646

· Termina a guerra civil em Inglaterra com a rendição de Oxford. Carlos I escapa de uma perseguição parlamentar em Newcastle e refugia-se na Escócia. Fracassam as negociações entre o Rei, que poderia ter sido reconduzido na chefia do Estado, e o Parlamento, pois o Soberano recusa aceitar o Presbiterianismo como religião nacional de Inglaterra e o controlo parlamentar do exército por um período de 20 anos.

· O general francês Condé conquista Dunquerque aos espanhóis.

· Os exércitos coligados da Suécia e da França invadem a Baviera, batendo o exército imperial de Fernando III. Forças suecas entram em Praga.

 

1647

· Os escoceses entregam Carlos I ao Parlamento contra o perdão de uma dívida de 400 mil libras. O Rei foge, mas é recapturado. Os escoceses secretamente encetam negociações com o Soberano oferecendo-lhe apoio se ele abolisse o episcopado (governo da Igreja pelos bispos).

· Invasão da Baviera. Os suecos e franceses obrigam o eleitor Maximiliano I da Baviera a celebrar o Tratado de paz de Ulm, que este último rapidamente quebra, no Outono, reentrando na guerra ao lado do Imperador (seria batido novamente em Maio de 1648).

· O stadtholder das Províncias Unidas, Frederico Henrique de Nassau e de Orange, morre. O seu jovem filho Guilherme II, casado com a princesa Mary, filha de Carlos I, sucede-lhe, mas não tem capacidade de controlar o governo das Províncias Unidas.


 ______________________________________________________________________________________________________________

O projecto de A Génese do Jornalismo. Jornais Periódicos do Século XVII em Portugal e na Europa é realizado com o apoio financeiro da Fundação para a Ciência e a Tecnologia, através de fundos estruturais da União Europeia, designadamente do FEDER, e de fundos nacionais do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.

 
          

      
Ċ
Jornais UFP,
23 de jun de 2010 16:30